A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 18 de Agosto de 2018

07/10/2011 17:29

Polícia ouve familiares de PM morto a tiros em borracharia

Ana Paula Carvalho
Populares se aglomeraram em frente a borracharia onde PM foi morto. (Foto: João Garrigó)Populares se aglomeraram em frente a borracharia onde PM foi morto. (Foto: João Garrigó)

O delegado que investiga a morte do policial militar da reserva, Humberto Aparecido Rolon, de 40 anos, já ouviu a esposa e o irmão da vítima e os funcionários da borracharia onde ele foi executado.

Agora, os trabalhos, continuam para tentar identificar o autor dos cinco disparos que atingiram as costas do policial e o condutor da moto em que ele fugiu. A Polícia investiga se câmeras flagraram a dupla durante a fuga.

O delegado solicitou à Corregedoria da Polícia Militar informações sobre o período em Rolon atuou na corporação, mas ainda não teve retorno.

O caso - Dois homens em uma moto, pararam em frente à farmácia, o garupa desceu e, sem capacete, se dirigiu a borracharia. Ele efetuou cinco tiros a queima roupa contra as costas do PM que estava agachado vendo um pneu.

Quatro pessoas estavam no local, mas alegaram que “tudo aconteceu muito rápido”.

Enquanto isso, o condutor da moto deu a volta na quadra e parou em frente ao estabelecimento. O atirador subiu novamente na garupa e os dois fugiram em direção à avenida Guaicurus.

Rotina - De manhã, o policial esteve na borracharia para arrumar o pneu de uma moto. Segundo relatos, ele trabalha em uma empresa próxima do local.

À tarde, ele ficou de voltar para pagar pelo conserto. Assim que chegou em um carro Fiat Siena, parou e foi atendido por um vendedor. Os dois estavam agachados no momento dos tiros.

Mais quatro pessoas estavam dentro do estabelecimento. Eles relataram que tudo foi muito rápido e por isso não conseguiram identificar o homem que efetuou os disparos.

O delegado acredita que o crime tenha sido encomendado.

Execução - O Ministério publico Estadual, denunciou, em 2003, o policial como um dos autores da execução Altair Cavalheiro Flores Neto, no dia 21 de dezembro de 2003.

De acordo com a denúncia, Humberto Aparecido Rolon, Celso Rodrigues Romeiro, Carlos Icassatti e Miguel Icassati foram contratados pelo ex-comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar de Ponta Porã, Gibson de Jesus Maroni Cabral para cometer o crime.

A execução teria sido encomendada, segundo o MPE, porque Altair teria se desentendido, em Jardim, com o filho do ex-comandante, Bruno de Matos Maroni. Ele foi assassinado com mais de 20 tiros de revólver calibre 38 e pistola 9mm.

Indenização - Em 2010, Rolon entrou com uma ação de indenização por danos morais contra o Estado. Ele pedia R$ 200 mil.

Último sorteio da Mega-Sena na semana pode pagar até R$ 23 milhões
Neste sábado (18) o último dos três sorteios da semana da “Mega-Sena dos Pais) pode pagar para um ou mais acertadores até R$ 23 milhões. Durante os o...
Gabaritos do Enceja já estão disponíveis no site do Inep
O Ministério da Educação (MEC) divulgou no final da tarde de hoje (17) gabarito oficial do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens...
Capes torna mais rígida avaliação de cursos de pós-graduação
A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) tornou mais rígida a avaliação dos cursos de pós-graduação no país. De acordo c...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions