ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Por agir de "má-fé", Seleta terá imóvel leiloado para pagar dívida de R$ 742 mil

Justiça alega que Seleta tentou receber R$ 8,7 milhões da prefeitura em ação que não figurava como parte

Por Silvia Frias | 15/04/2024 13:24
Imóvel utilizado anteriormente pela Seleta, na rua Pedro Celestino (Foto: Marcos Maluf)
Imóvel utilizado anteriormente pela Seleta, na rua Pedro Celestino (Foto: Marcos Maluf)

Imóvel da Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária, localizado no Bairro São Francisco, avaliado em R$ 1,154 milhão será colocado em leilão para o pagamento de multa processual de R$ 742 mil. A penalidade foi imposta depois que a Justiça entendeu que houve “litigância de má-fé”, ou seja, conduta desonesta em processo judicial e determinou o pagamento de 5% sobre o valor da causa, que era de R$ 8,734 milhões.

Os termos iniciais do leilão eletrônico constam de publicação desta segunda-feira (15) no Diário da Justiça, em que o juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais, determina que o cartório judicial sorteie os leiloeiros/empresas credenciadas no TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

O leilão será de lote localizado entre as ruas Pedro Celestino e João Pessoa, no Bairro São Francisco, com área total de 800 m², sendo 750 m² de área construída, “contendo quatro unidades de alvenaria, cobertas com telhas de fibrocimento (amianto), caixas d'águas externas, esquadrias metálicas, pintura antiga e com terreno integralmente cercado por estrutura telada em metal”.

Conforme avaliação realizada em 2022, no decorrer do processo, o terreno foi avaliado em R$ 1.154.639,58, sendo R$ 640 mil do valor do imóvel e R$ 514.639,58 em área construída. Para o leilão, este valor ainda será atualizado.

Litigância – O leilão do imóvel foi o capítulo final de disputa judicial que começou em 2017, quando a Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária entrou com recurso judicial de cumprimento provisório de decisão judicial contra o Município de Campo Grande.

Na ocasião, a Seleta entrou com ação civil pública contra o Município, pedindo o repasse de valores da cota patronal, que teriam sido represados indevidamente, derivados de relação jurídica de convênios e aditivos com a prefeitura.

O pagamento era exigido de forma retroativa, a partir de maio de 2016, data do ajuizamento da ação inicial, totalizando R$ 8.734.630,69. Caso não pagasse, que o montante fosse bloqueado das contas do Município.

Porém, o valor e a justificativa aos quais se refere a Seleta fazem parte de outra ação, impetrada pela Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar) em que a Seleta não figura como parte.

“A decisão que a Seleta tenta executar não a beneficiou, ao contrário do que alega, pois ela não é parte no processo (...) e o convênio que embasa o pedido no processo principal foi firmado com outra entidade - a OMEP. O convênio da Seleta é outro, embora possa ter cláusulas muito semelhantes”, avaliou o juiz David Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara dos Direitos Difusos, em despacho dado no dia 15 de agosto de 2017.

“A bem da verdade, está muito clara a má-fé da Seleta, ao utilizar-se do processo para conseguir objetivo ilegal (...) “provocando incidente manifestamente infundado”, continuou o magistrado. David Oliveira ainda cita outra manobra que muda a palavra “pagar” de uma ação para “repassar” na da Seleta, sendo caracterizado como “jogo de palavras” para induzir ao erro.

Por isto, segundo o juiz, é cabível a aplicação da penalidade prevista no artigo 81 do CPC (Código do Processo Penal), “pelo elevado potencial de dano que poderia ter causado aos cofres públicos”. Assim, foi fixada pena de 5% sobre o valor da causa, que reverterá em favor do Município de Campo Grande.

A Seleta ainda tentou apelar da decisão, pedindo a concessão da justiça gratuita, justamente para não pagar pelo valor da causa que recai sobre quem perde a ação. Novamente, teve o pedido negado, sob alegação judicial de que isso não foi pedido em nenhuma fase da ação.

Os 5% sobre o valor da causa, que havia sido estipulada em R$ 8.734.630,69, foi calculado em R$ 742.0088,37, em planilha judicial de agosto de 2023. Na ação, consta o pedido de atualização dos valores da dívida, além de matrícula atualizada e descritiva do imóvel que vai a leilão para cobrir o referido débito.

Na ação, ainda consta que o oficial teve trabalho para encontrar algum imóvel que pudesse ser penhorado, já que os bens da Seleta estão vinculados com ações trabalhistas. Tanto a Seleta quando a Omep foram alvos de investigação em 2021 por conta de fraudes em convênios com a prefeitura.

A reportagem não conseguiu contato com representante legal da Seleta citado na ação, sendo Roberto Barros de Oliveira.

Os trabalhadores teriam de atuar em Ceinfs (Centros de Educação Infantil) e Cras (Centro de Referência à Assistência Social). Mas a estimativa é que, além de funcionários fantasmas, pelo menos 2,7 mil estavam em desvio de função, sendo considerado verdadeiro “cabide de empregos”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias