ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 35º

Capital

Prefeitura entra no TJ contra decisão que extingue convênios e demite 4 mil

Aline dos Santos | 20/12/2016 08:16
Operação do Gaeco fez "batida" na Omep dia 13. (Foto: Marcos Ermínio)
Operação do Gaeco fez "batida" na Omep dia 13. (Foto: Marcos Ermínio)

A prefeitura de Campo Grande entrou com recurso no TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) contra a decisão que manda o poder público extinguir os convênios com a Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escola) e Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária).

Na prática, a decisão resulta na demissão de quatro mil pessoas que trabalham em creches, escolas, centros de convivência do idoso, centros de assistência social e ao migrante.

“O recurso pede a suspensão da decisão porque não respeitou o contraditório. A prefeitura não foi ouvida após a investigações do Gaeco”, afirma o procurador-geral do município, Denir Nantes.

Segundo ele, o recurso foi apresentado no fim da manhã de ontem e será distribuído para apreciação dos desembargadores de plantão. A Justiça Estadual faz recesso até 6 de janeiro.

Na última terça-feira (dia 13), o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), braço do MPE (Ministério Público Estadual), desencadeou a operação Urutau, com prisões e apreensões na Omep e Seleta. O Ministério Público classificou os convênios como “indústria de fantasmas” e pediu o fim das terceirizações.

No dia 15, o juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, determinou a extinção dos contratos. A prefeitura divulgou comunicado na última sexta-feira (dia 16) informando que todos os funcionários contratados pelas duas entidades tiveram a atividade laboral interrompida e não podem ter acesso aos locais onde desempenhavam as suas funções.

Para substituir os quatro mil funcionários, o MPE recomendou que a prefeitura faça contratos temporários com trabalhadores que ocupem cargos em unidades que oferecem serviços essenciais. Os trabalhadores fazem protesto desde o fim de semana e acamparam em frente ao Fórum de Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias