A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

11/01/2017 17:16

Prefeitura tenta destravar R$ 31 milhões para novos terminais de ônibus

Recurso garante reforma do Terminal Morenão, além da construção de terminais no Bairro Tiradentes, na Avenida dos Cafezais, no São Francisco, e o quarto no Conjunto Parati.

Christiane Reis
Recurso também garante a reforma do Terminal Morenão. (Foto: Fernando Antunes)Recurso também garante a reforma do Terminal Morenão. (Foto: Fernando Antunes)

A liberação do total de R$ 30,9 milhões para custear obras de reforma e construção de terminais em Campo Grande, já assegurados há quase quatro anos, é um dos focos da Prefeitura de Campo Grande. O recurso garante a reforma do Terminal Morenão e a construção de quatro novos terminais, sendo um no Tiradentes, outro na Avenida Cafezais, o terceiro no São Francisco e o quarto no Conjunto Parati.

Segundo a prefeitura, técnicos da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos tentam resolver pendências com a CEF (Caixa Econômica Federal), para que seja possível executar as obras, que integram o Projeto de Mobilidade Urbana aprovado em 2012.

Ainda conforme informações divulgadas no site da prefeitura, até o momento a CEF só autorizou a licitação da obra do terminal na Avenida Cafezais, orçada em R$ 6,7 milhões. Há pendências em relação ao projeto de reforma do Morenão (orçado em R$ 2,6 milhões). No caso dos novos terminais, a prefeitura precisa regularizar a posse das áreas, com a conclusão dos processos de desapropriação . O Terminal Parati custará R$ 5,9 milhões e o do São Francisco, R$ 9 milhões.

PAC - Após quatro anos, os custos das obras previstas no Projeto de Mobilidade Urbana foram atualizados para R$ 141,1 milhões. A contrapartida pulou de R$ 7,2 milhões para R$ 31 milhões.

“Este (o dinheiro da contrapartida) é um complicador diante das dificuldades financeiras enfrentadas pela prefeitura”, analisou o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese.

O projeto contempla, além de novos terminais, implantação 60 quilômetros de corredores de transporte (Sul, Sudeste e Norte); construção de um viaduto (de R$ 33 milhões) na rotatória da Avenida Interlagos com a Gury Marques, que já tem o projeto pronto; quatro estações de pré-embarque (R$ 18,4 milhões) e a aquisição de 500 abrigos (R$ 3,4 milhões), que são atrelados a implantação dos corredores de transporte.

Rudi Fiorese acredita que o Projeto de Mobilidade Urbana como um todo não será afetado pela portaria 633 do Ministério das Cidades, publicada na edição do 29 de dezembro do ano passado. A portaria cancelou propostas de mobilidade urbana encaminhadas pelas prefeituras das capitais, financiadas com recursos do OGU (Orçamento Geral da União). Os projetos foram pré-habilitados em julho de 2014 (portaria 414), ainda no Governo Dilma Roussef.

Na segunda-feira (9), o Campo Grande News apontou que reformas de terminais e requalificação de avenidas por onde passa o transporte coletivo entraram na lista de projetos insubsistentes do Ministério das Cidades.

As propostas foram inseridas no Pacto da Mobilidade em 28 de julho de 2014. Tendo como fonte o OGU, os projetos eram para: qualificação dos eixos estruturadores de transporte coletivo nas avenidas Mato Grosso, Tamandaré, Mascarenhas de Moraes, Ernesto Geisel e rua Dr. Euler de Azevedo; e reforma dos terminais Moreninhas, Guaicurus e Bandeirantes.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério das Cidades, os projetos continuarão prioritários na medida em que forem importantes para a mobilidade de Campo Grande. Ainda segundo o ministério, com o cenário econômico e as dificuldades enfrentadas por Estados e municípios, houve revisão da carteira de projetos.

Segunda etapa - O chamado PAC-50 da Mobilidade Urbana, segunda etapa do Projeto de Mobilidade, não deve sair do papel por conta do agravamento da crise econômica. Este PAC previa investimento de R$ 630 milhões, sendo R$ 380 milhões para implantação de um metrô de superfície, no modal Veiculo Leve sobre Trilho (VTL), no trecho entre o Aeroporto Internacional e a Universidade Federal, aproveitando o canteiro central da Via Morena e Avenida Duque Caxias.

Outros R$ 35 milhões seriam para a construção de um viaduto na rotatória da Via Parque com a Avenida Mato Grosso; recapeamento de várias avenidas, como a Tamandaré, Euler de Azevedo ,Mascarenhas, Ernesto Geisel (da Salgado Filho até a Mascarenhas), além da própria Mato Grosso.

O projeto contemplava ainda a construção de um terminal na Praça Ari Coelho (ao custo de R$ 5 milhões); transformar a antiga estação rodoviária em estação de apoio e mais R$ 15 milhões para reformar todos os atuais terminais (com exceção do Morenão, previsto na primeira etapa). Outros R$ 70 milhões seriam para construir e equipar uma Central de Monitoramento do Transporte e trânsito na antiga área da Agetran, em frente ao Horto Florestal.

Homem sobre o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanadi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions