A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

18/12/2015 08:57

Prefeitura usou verba de remédios para comprar até caminhão, revela CGU

Aline dos Santos
No CRS Guanandi, vistoria verificou falta de medicamento. (Foto: Divulgação/CGU)No CRS Guanandi, vistoria verificou falta de medicamento. (Foto: Divulgação/CGU)

Falta de remédios e verba para para compras de medicamentos usada até para comprar caminhão. O cenário contraditório foi verificado pela CGU (Controladoria-Geral da União) em fiscalização da aplicação de recursos na Promoção da Assistência Farmacêutica em Campo Grande.

O documento aponta uso de R$ 290.034,50 em despesas não relacionadas à área de saúde. Os gastos foram com: confecção de portão (R$ 29.100), aquisição de aparelho de ar-condicionado (R$ 66.549), prestação de serviço de locação de veículo (R$ 29.353), aquisição de veículo (R$ 26.532), aquisição de caminhão (R$ 138.500). As despesas, feitas entre 2011 e 2014, foram consideradas irregulares,

O relatório recomenda a adoção de um Termo de Ajuste Sanitário para promover a devolução dos recursos não aplicados na área da saúde à conta corrente do Fundo Estadual/Municipal de Saúde.

No período de primeiro de janeiro de 2012 a 31 de julho de 2015, foram repassados pelo Ministério da Saúde R$ 13.682.338,34.

Em fiscalização no dia 28 de agosto de 2015, equipe da controladoria verificou falta de medicamentos na UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) Maria Aparecida Pedrossian e CRS (Centro Regional de Saúde) Guanandi e Nova Bahia.

Listagem de 14 de agosto mostrava remédios com estoque zerado no almoxarifado da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). Conforme a Sesau, o desabastecimento foi temporário e no período da auditoria foram concluídos alguns processos licitatórios.

“Atualmente contamos com 90% dos medicamentos da Atenção Básica disponível nas Unidades Básicas de Saúde, sendo que os 10% restantes resultaram nos processos licitatórios fracassados ou desertos”, informa a secretaria.

A CGU ainda avaliou que o almoxarifado precisa de adequações na climatização para conservação da eficácia dos medicamentos armazenados no local. Outra irregularidade foi encontrada no pregão 006/2012, destinado à compra de tiras reagentes para glicemia. O relatório aponta cláusulas restritivas à concorrência.

O documento foi entregue ontem ao prefeito Alcides Bernal (PP) pelo chefe da CGU, José Paulo Barbiere. O relatório será apresentado aos secretários na tarde desta quinta-feira. A controladoria fará coletiva amanhã sobre a fiscalização.

Homem sobre o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanadi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions