A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

12/08/2016 20:38

Prefeitura vai acionar a Justiça para impedir que HU 'feche' pronto socorro

Nyelder Rodrigues
Hospital Universitário diz que não estava preparado para se adaptar a nova lei e não consegue fechar escalas (Foto: Arquivo)Hospital Universitário diz que não estava preparado para se adaptar a nova lei e não consegue fechar escalas (Foto: Arquivo)

A prefeitura de Campo Grande acionar a Justiça para tentar impedir que o Hospital Universitário (HU) de Campo Grande deixa de receber pacientes no pronto socorro a partir deste fim de semana. As dificuldades em fechar a escala de médicos fez com que a direção da unidade tomasse essa medida.

Segundo o secretário municipal de Saúde Pública, Ivandro Fonseca, ele define ainda esta noite com a Procuradoria Jurídica do Município os trâmites para fazer a entrada a ação, que será dada no plantão do judiciário estadual.

"Eles [direção do HU] não podem fazer isso de um dia para o outro com a população, deixando ela desassistida. Fomos pegos de surpresa e vamos registrar um boletim de ocorrência contra isso. Se ocorrer alguma negligência, imperícia ou omissão, vão responder por isso", frisa o secretário.

Ivandro também revela que o contrato com o hospital está sendo discutido em avaliação na prefeitura, mas que os repasses do Fundo Nacional de Saúde estão em dia e são feitos diretamente pelo Governo Federal.

O secretário conta que o valor é de aproximadamente R$ 1,9 milhão por mês e que o CRM (Conselho Regional de Medicina) também será acionado por causa da situação, já que tais mudanças exigem notificação com antecedência de pelo menos 30 dias. "Não vamos permitir que a vida das pessoas sejam colocadas em risco", completa.

Dificuldades - Ofício enviado pela gerente de Atenção à Saúde do HU, Ana Lúcia Lyrio de Oliveira, nesta sexta-feira (12), comunica as centrais de regulação municipal e estadual que não terá como atender mais pessoas no PAM (Pronto Atendimento Médico) do HU porque só terá um médico plantonista no sábado (13) e outro no domingo (14).

De acordo com Ana Lúcia, o HU está com dificuldades para fechar as escalas de plantão porque o hospital não estava preparado para cumprir a lei 13.287/16, sancionada pela presidente Dilma Rousseff no dia 12 de maio, que proíbe que gestantes e lactantes trabalhem em locais insalubres.

"O hospital inteiro é insalubre e temos 17 grávidas [contando enfermeiras e médicas] que tivemos de remanejar para atividades administrativas", explicou gestora, dizendo ainda que o governo federal autorizou a contratação de seis médicos plantonistas para o CTIs (Centros de Tratamento Intensivo), mas isso só aconteceu hoje.

Como os aprovados em concurso público ainda precisam ser convocados e tomar posse do cargo, Ana Lúcia estima que até o dia 1º de setembro, o hospital continuará enfrentando o problema. A direção afirma que pediu socorro à Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), mas nada foi feito.



O que acontece é que esse senhor secretário de saúde, muito provavelmente junto com o senhor prefeito estão querendo instigar a população a ficar contra o Hospital... agora me respondam: como vão atender pacientes se não tem médicos? Como está dizendo na matéria, o Hospital pediu ajuda à Sesau, que não respondeu. Porque não cederam médicos para atender no hospital? Porque o senhor governador não empossa os médicos concursados? Não adianta ficar entrando com açãosinha se não tem profissionais para atender. Quer mostrar serviço? Coloque os profissionais de que dispõe para trabalhar. Até mesmo a própria Sesau enfrenta problemas porque também não tem profissionais suficientes. O que a população deve fazer então? entrar com processo contra a prefeitura porque não tem médicos?
 
Mariana Carvalho em 13/08/2016 01:53:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions