ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Preso em MS, “Fantasma” passará por audiência em ação por falsidade ideológica

Boliviano terá que responder no Brasil por ter comprado documento de RG a R$ 24,5 mil, em Belém do Pará

Gabriela Couto | 15/04/2023 17:33
Documentos de identificação falsos apresentados pelo narcotraficante eram da nacionalidade brasileira e boliviana. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Documentos de identificação falsos apresentados pelo narcotraficante eram da nacionalidade brasileira e boliviana. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

Preso com documentos de identificação falsos, o narcotraficante boliviano Jorge Adalid Granier Ruiz, 43 anos, conhecido na Argentina como “Fantasma”, “Chuleta” ou “Nono”, terá que passar por audiência virtual de instrução e julgamento no dia 16 de maio deste ano, às 14h20 (horário local).

Ele está detido na Penitenciária Estadual Masculina de Regime Fechado da Gameleira I, em Campo Grande e antes de ser extraditado para a Argentina, irá responder pelo crime de falsidade ideológica no Brasil.

A decisão proferida pelo juiz da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Bruno Cezar da Cunha Teixeira, foi publicada no dia 12 de abril. Ele acatou a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) e da PF (Polícia Federal) que pode dar ao boliviano reclusão de dois a seis anos pelo crime, além de multa.

Apresentação do narcotraficante boliviano, Jorge Adalid Granier Ruiz, após prisão da PRF no dia 28 de março. (Foto: Arquivo/Paulo Francis)
Apresentação do narcotraficante boliviano, Jorge Adalid Granier Ruiz, após prisão da PRF no dia 28 de março. (Foto: Arquivo/Paulo Francis)

Pertencente à lista de procurados da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), o narcotraficante foi detido no dia 28 de março, durante uma abordagem da PRF (Polícia Rodoviária Federal), no posto policial de Jaraguari, a 44 km de Campo Grande.

No momento da entrevista com os policiais rodoviários federais, ele apresentou  identidades falsas com nome de Jorge Mendez Ardaya. Os documentos eram de duas nacionalidades diferentes: brasileira e boliviana.

Na audiência de custódia, o narcotraficante confirmou que comprou a identidade brasileira em Belém (PA) por U$ 5 mil, o equivalente a R$ 24.550 na cotação deste sábado. Jorge também afirmou que providenciou os documentos falsos por saber do mandado de prisão em aberto contra ele, na Argentina.

Nos siga no Google Notícias