ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Preso em operação, comerciante paga R$ 5 mil de fiança e ganha liberdade

Prisão provisória concedida pelo juiz Jorge Tadashi Kuramoto, durante audiência de custódia nesta sexta-feira

Por Bruna Marques | 17/05/2024 10:47
Pistola e revólver apreendidos durante operação nesta quinta-feira (Foto: Divulgação/PCMS) 
Pistola e revólver apreendidos durante operação nesta quinta-feira (Foto: Divulgação/PCMS)

Preso ontem durante Operação Guatambu II, o comerciante Josemar Ferreira Lima, 60 anos, alvo de mandado de busca e apreensão, suspeito de agiotagem, pagou fiança de R$ 5 mil e teve prisão provisória concedida pelo juiz Jorge Tadashi Kuramoto, durante audiência de custódia nesta sexta-feira (17).

Josemar foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de usos restrito, por policias do Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), durante cumprimento de mandado de busca e apreensão em sua residência, no Bairro Jardim Centenário, em Campo Grande.

Além disso, ele é suspeito de agiotagem, a suspeita foi levantada porque durante a abordagem, os policiais encontraram conversas no celular de Josemar que indicam o crime.

As equipes encontraram embaixo da cama da neta de Josemar, uma pistola calibre 9 x 19 milímetros. Questionado sobre a arma, ele informou que pertencia a um amigo. A pistola e 4 munições foram recolhidas pelos policiais.

Josemar foi conduzido para a Deccor (Delegacia Especializada de Combate a Corrupção) acompanhado da advogada Maria Clara Stipp Peru e em depoimento contou que trabalha de forma autônoma com compra e venda de gado e tem uma empresa em nome da esposa para comércio de veículos que fica na casa onde mora.

Sobre a pistola, ele contou que pertence a um amigo de nome Magno e que o dono teve um desentendimento com a esposa no sábado, por isso, pediu que Josemar guardasse a arma em sua casa.  Por ser documentada, ele afirma que não há nenhuma proibição no que fez e que estava embaixo da cama da neta porque a menina não mora na residência.

Durante audiência de custódia na manhã de hoje, o juiz determinou que ele pagasse fiança de R$ 5 mil para ser colocado em liberdade. O pagamento foi feito e agora, ele responde o processo solto.

Já o outro comerciante, também autuado em flagrante com um revólver calibre 32 foi solto após pagar fiança de R$ 4.236,00, ontem. Em depoimento, o homem de 54 anos, disse que “herdou” a arma do pai. Ele também foi alvo de mandado de busca e apreensão por suspeita de integrar a organização criminosa que atua no tráfico de drogas.

Viaturas em um dos endereços onde foram cumpridos mandados de busca na Capital (Foto: Divulgação/PCMS) 
Viaturas em um dos endereços onde foram cumpridos mandados de busca na Capital (Foto: Divulgação/PCMS)

Operação – Conforme apurou o Campo Grande News, a operação Guatambu II faz parte da investigação de um esquema de tráfico de drogas que estariam saindo do Paraguai e da Bolívia com destino a diversos estados do Brasil. A apuração começou após a prisão de um traficante em Araçatuba (SP) em outubro de 2022.

Identificado como Fabrício Aparecido da Silva Guilherme. Ele levada 285, 685 quilos de cocaína em um caminhão que foi abordado por equipe da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) após passar pela praça de pedágio em Rubiácea, na rodovia Marechal Rondon. Ao todo foram encontrados 281 tabletes da droga embaixo de uma lona, sendo que 91 deles eram de crack.

Conforme apurado pela Polícia Civil de São Paulo, a droga teria saído de Campo Grande com destino a Birigui para o líder da organização criminosa, ele foi sentenciado a 8 anos e quatro meses pelo crime, mas teve a pena reduzida para 6 anos, 11 meses e dez dias de multa. Outros integrantes da quadrilha foram identificados, um deles identificado como Marcelo dos Anjos chegou a ser preso com 456 quilos de cocaína em agosto de 2023, na cidade de Itu. Em outubro do mesmo ano ele foi condenado a 6 anos e 8 meses de prisão.

As prisões resultaram na operação e durante a investigação, a polícia apurou se tratar de uma organização criminosa que atuava no tráfico interestadual de drogas, com isso, representou pela busca e apreensão em endereços suspeitos de serem usados para lavagem de dinheiro e tráfico de drogas pela quadrilha.

Ao todo foram cumpridas 15 ordens judiciais sendo oito em Campo Grande nos bairros Zé Pereira, Parati, Colibri, Jardim Centenário, Guanandi, Jardim Pênfigo, Nhanha e em uma oficina usada para fabricar fundos falsos para veículos que faziam transporte de drogas no Jardim Itamaracá. Além de em Aquidauana, um em Anastácio, três em Birigui e um em Fortaleza no Ceará.

Para dar cumprimento aos mandados a operação contou também com equipes da Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco e Resgate a Assaltos e Sequestro), Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico), Defurv (Delegacia Especializada de Repressão Furtos e Roubos de Veículos) e da Delegacia Regional de Aquidauana.

Em Mato Grosso do Sul foram empenhados 30 policiais civis para o apoio operacional ao Deinter 10 (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado) sob a coordenação da Deic (Divisão Especializada de Investigações Criminais) de Araçatuba - SP.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias