ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Preso há 180 dias, enfermeiro que fez aborto em Marielly tem liberdade negada

Aline dos Santos | 03/02/2012 12:09

O pedido de habeas corpus foi negado ontem pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça)

Jodimar está preso desde julho do ano passado. (Foto: Simão Nogueira)
Jodimar está preso desde julho do ano passado. (Foto: Simão Nogueira)

Preso desde julho do ano passado, o enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes teve o pedido de habeas corpus negado ontem pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Ele é acusado de ter feito o aborto que resultou na morte da estudante Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos.

“Na verdade, querem forçar a barra para que ele confesse”, afirma o advogado David Moura Olindo, que atua na defesa do enfermeiro. De acordo com ele, a juíza de Sidrolândia, onde tramita o processo, quer que todas as testemunhas sejam ouvidas antes de Jodimar ser posto em liberdade.

A defesa do enfermeiro já teve habeas corpus negado pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). No fim de janeiro deste ano, o tribunal negou liminar de um novo pedido de liberdade.

Também denunciado pelo aborto que resultou em morte e ocultação de cadáver, Hugleice da Silva, cunhado de Marielly foi preso em julho, mas está em liberdade desde setembro, por decisão do TJ/MS.

Marielly foi vista pela última vez em casa, em Campo Grande, no dia 21 de maio do ano passado. O corpo foi encontrado no dia 11 de junho.

Até o dia em que foi para a cadeia, Hugleice negava envolvimento no caso e ‘ajudava’ a família na batalha por um desfecho para o caso. No entanto, após a primeira noite na prisão passou a confessar a participação.

Hugleice confessou que levou a jovem até a casa de Jodimar, em Sidrolândia, para fazer o aborto, e depois, quando o procedimento deu errado, junto com o enfermeiro, colocaram o corpo em seu carro e o jogaram em um canavial. Em dezembro do ano passado, Hugleice afirmou que foi obrigado a confessar o crime.

Nos siga no Google Notícias