ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, SEGUNDA  11    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Promotora apela à emoção e diz que júri direciona "a Campo Grande que queremos"

Luciana destacou que o atual júri é um divisor de águas para a Justiça e para a cidade

Lucia Morel, Anahí Zurutuza e Ana Beatriz Rodrigues | 19/07/2023 17:35

“Mais que pela morte do Matheus, esse júri diz respeito à sociedade que queremos daqui pra frente”. Em apelo emocionado, a promotora de justiça Luciana do Amaral Rabelo iniciou a réplica do júri popular pela morte de Matheus Coutinho Xavier em abril de 2019 e que descortinou série de crimes de pistolagem em Campo Grande.

Atuando no Tribunal do Júri há 27 anos, Rabelo afirma que caso a caso percebe que as decisões tomadas pelos jurados lá se referem mais que aos crimes em si, mas à justiça que se espera ser feita. Também destacou que o atual júri é um divisor de águas para a Justiça e para a cidade.

“Há mais de 20 anos, estou aqui todas as semanas e vejo que tenho me dirigido a uma sociedade que quer se ver livre de feminicídios, de homicídios cometidos por organizações criminosas. Uma sociedade que tem a lei respeitada, em que as autoridades policiais e investigativas, em que as instituições são respeitadas”.

Ela citou inclusive o Hino de Mato Grosso do Sul, dizendo que “a pujança, o celeiro de fartura, a grandeza do nosso Estado não está na sua vegetação, não está no Pantanal, mas sua grandeza está em sua gente, na gente que formou a cidade de Campo Grande”, ressaltou ao lembrar que o fundador José Antônio Pereira também precisa ser honrado e ao começar o município não sonhava em uma cidade que teria mortes por tiros de fuzil.

A promotora de justiça Luciana do Amaral Rabelo (Foto: Henrique Kawaminami)
A promotora de justiça Luciana do Amaral Rabelo (Foto: Henrique Kawaminami)

“Qual Campo Grande queremos daqui pra frente?”, questionou aos jurados, apelando para que eles votem de acordo com as premissas e provas apresentadas pelo Ministério Público.

“Não importa se o fuzil que matou o Matheus foi apreendido ou não. O acusado de ser o líder da organização (Jamil Name Filho) já foi condenado por organização criminosa, foi apreendido grande arsenal bélico de sua propriedade e que Marcelo (Rios) cuidava. Eles usavam sim veículos roubados e furtados para dificultar a identificação de provas e de autoria”, enumerou.

Ela lembrou também que o pai de Matheus, Paulo Xavier, percorreu a Avenida Afonso Pena com "o coração do filho nas mãos" no dia em que ele foi executado em busca de ajuda e, assim, a promotora pediu, quase ao final de sua fala, aos jurados que “na hora que forem para a sala secreta, que vocês votem de acordo com a lei, com as provas do processo e com vossas consciências”.

Acompanhe ao vivo o julgamento através do nosso Facebook, clicando aqui.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também