A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Outubro de 2018

24/07/2015 16:15

Sem acordo, enfermeiros da Santa Casa ameaçam parar atividades

Michel Faustino
Enfermeiros irão decidir na próxima semana se paralisar parcialmente às atividades. (Foto: Divulgação/Siems)Enfermeiros irão decidir na próxima semana se paralisar parcialmente às atividades. (Foto: Divulgação/Siems)

Os enfermeiros da Santa Casa de Campo Grande ameaçam paralisar parcialmente as atividades a partir da próxima semana. Desde março deste ano, a categoria tenta negociar reajuste salarial com o hospital, no entanto, a única proposta feita até agora não foi aceita.

De acordo com o Siems (Sindicato dos Trabalhadores na área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), na segunda (27), terça (28) e quarta-feira (29), serão realizadas assembleias para deliberar sobre a paralisação gradativa das atividades, e início da “operação tartaruga”, onde os profissionais interrompem os atendimentos de três em três horas.

Os servidores reivindicam reajuste de 12,68%; adicional de exclusividade de 20% sobre o salário base dos profissionais; abono assiduidade de R$ 184,73; salário de R$ 1.778,86 para os técnicos em enfermagem nível 2 que tenham a graduação em enfermagem; e renovação do instrumento normativo anterior.

Segundo o presidente do Siems, Lázaro Santana, a Santa Casa tem não tem mostrado interesse em negociar com a categoria, bem como, até o momento, ofereceu somente propostas que não são condizentes com as reivindicações.

"Apesar de nossa database ser maio, enviamos a primeira proposta dos profissionais em março com o objetivo de antecipar as negociações, mas a primeira contraproposta da Santa Casa só aconteceu em junho e foi rejeitada em assembleia, porque ofereceram um reajuste de 8,34% que cobre apenas o índice do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e ainda dividido em duas parcelas - sendo 4% sobre a data-base de 2014 e 4,34% sobre o salário base de 2014”, disse.

Conforme o sindicalista, em julho, a categoria rejeitou outra proposta do hospital que previa reajuste de apenas 6%, desta vez retroativo ao mês de maio, mas com valor inferior à inflação.

Segundo Lazaro o hospital tem justificado que está passando por uma crise financeira, agravada pelas dificuldades de contratualização com o município.

"As alegações são curiosas quando olhamos os altos investimentos que estão sendo realizados na estrutura do Prontomed e em diversas alas do hospital. Em relação à contratualização, apesar de não assinarem a renovação do contrato com a prefeitura, os recursos continuam sendo repassados ao hospital. Neste momento de grande "crise" o que realmente temos visto são grandes investimentos na estrutura física do prédio, já as pessoas, os trabalhadores, são deixados para segundo plano", criticou



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions