A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

03/01/2014 18:45

Sem creche nas férias, mães deixam empregos ou se socorrem nas avós

Lidiane Kober
Elecir transformou uma dificuldade em uma nova profissão e agora socorre mães que não tem onde deixar os filhos nas férias (Fotos: Marcos Ermínio)Elecir transformou uma dificuldade em uma nova profissão e agora socorre mães que não tem onde deixar os filhos nas férias (Fotos: Marcos Ermínio)

Sem creche no período de férias, pais se mobilizam para escapar da dificuldade e garantir segurança e entretenimento aos filhos. Alguns são obrigados a deixar o emprego, outros se socorrem em familiares e tem gente que, na dificuldade, usa a criatividade e descobre uma nova profissão.

É caso de Elecir Ângela Scariot, 39 anos. Até o início do ano passado, ela trabalhava em uma loja de joias, mas precisou abandonar o emprego para cuidar de seu filho, de quatro anos. Na época, o menino foi obrigado a trocar de Ceinf (Centro de Educação Infantil). Na nova creche, o expediente encerrava às 15h50.

“No antigo, as atividades terminavam às 17h e o meu marido conseguia pegar o meu filho, com a troca, precisei deixar o trabalho para dar tempo de pegá-lo”, relatou. A mudança, no entanto, acabou alterando a vida de Elecir para melhor.

“Um certo dia, uma mãe me confidenciou a dificuldade de pegar sua filha na creche, então, me ofereci para ajudá-la, quando cheguei em casa pensei em transformar isso em um novo trabalho”, contou. No dia seguinte, Elecir procurou a diretora do Ceinf e relatou sua ideia de pegar as crianças e cuidá-las até o horário dos pais saírem do trabalho.

“A diretora me apoiou. No início, foi difícil, porque as mães ficaram desconfiadas, mas, com o tempo, de boca em boca, se espalhou que as crianças eram bem cuidadas”, disse. Assim, 2013 fechou com 14 crianças de 1,5 a 7 anos nãos mãos de Elecir. A maioria fica com ela das 15h50 até às 18h45. “A mãe do João Pedro, de 7 anos, é professora de libra, então, fico com ele até às 10h30”, completou.

Elecir se sente realizada cuidando as criançasElecir se sente realizada cuidando as crianças

Nas férias da creche, Elecir continua cuidando de quatro crianças. “A maioria dos pais se programou para ficar com os filhos no período, mas quatro não conseguiram tirar férias e continuo com as crianças”, relatou. Para cuidá-los o dia inteiro, ela cobra R$ 300. No período das aulas, o valor é de R$ 180.

“Busco as crianças na creche, sirvo lanche às 17h e entrego todas de banho tomado”, destacou. “Adoro crianças e estou muito feliz”, acrescentou. Quem às vezes fica com um pouco de ciúmes é o filho de Elecir, hoje com 5 anos. “Ninguém me ama nessa casa”, diz, em algumas ocasiões, o menino à mãe. “Daí o encho de carinho e digo o quanto o amo”, finalizou.

Avó maezona – Perto de ganhar o segundo filho, a consultora de vendas Camila Fontoura Paim, 32 anos, é outra que enfrenta dificuldades nas férias escolares. Ela e o marido trabalham e se socorrem a familiares para escapar das adversidades. “A minha sorte é que tenho uma família para me amparar”, destacou.

A jovem se refere a mãe, Vera Lucia Fontoura Rosa, 62 anos. A dona de casa cuida do filho de Camila, Cauã Ricardo, 3 anos, e da outra neta, Emylle, também de três anos. Ao mesmo tempo que cuida dos netos, ela comanda o fogão e mantém a casa limpa para a família. “Não tem outro jeito, preciso dar conta”, frisou. Para garantir ordem na casa, ela programa tudo e planeja a hora do banho, do almoço e do sono.

Prestes a ganhar o 2º filho, Camila conta com a ajuda da mãe para cuidar de Cauã nas fériasPrestes a ganhar o 2º filho, Camila conta com a ajuda da mãe para cuidar de Cauã nas férias

A sete dias do nascimento de Carolina, Camila confessa preocupação com o futuro. “Sei como é difícil conseguir vaga nas creches e conheço a história de muitas mães que precisaram deixar o trabalho para cuidar dos filhos”, comentou. Atualmente, 14 mil crianças estão matriculadas nos Ceinfs de Campo Grande, mas estimativas indicam déficit de cerca de 10 mil vagas.

Uma alternativa em discussão – Para tirar famílias do sufoco, a prefeitura planeja colocar, em janeiro de 2015, em prática o “Projeto Férias”, aprovado no final de 2011 pela Câmara Municipal. Pela proposta, os Ceinfs ficariam abertos no período de recesso para atender crianças, filhas de pais que comprovarem estar trabalhando.

Titular da Secretaria de Assistência Social (SAS), a vereadora Thais Helena explicou que a ideia não saiu do papel antes por falta de profissionais para atender as crianças. “No ano passado, foi aprovada emenda na Câmara que autoriza a contratação de pessoal”, informou. “Neste ano, vamos planejar para, em janeiro de 2015, ter condições de atender essa demanda”, completou.

Primeiro, será feito planejamento orçamentário para contratar profissionais. Ao mesmo tempo, a SAS fará levantamento entre os pais a fim de constatar a demanda do projeto. Outra necessidade é definir uma programação para convencer membros do Conselho de Educação, contrários a atividades nas férias.

“Muitos são contra por avaliarem que as crianças precisam de férias, então, estamos desenvolvendo uma programação especial, com atividades envolvendo todas as secretarias para garantir opções de esporte, cultura, meio ambiente e empreendedoras às crianças”, finalizou Thais Helena.

Cauã fica sob os cuidados da avó Vera Lucia, que também fica de olho em outra neta e ainda dá conta de comandar o fogão e deixar a casa em ordemCauã fica sob os cuidados da avó Vera Lucia, que também fica de olho em outra neta e ainda dá conta de comandar o fogão e deixar a casa em ordem
Durante discussão, adolescente de 17 anos é esfaqueado pelo amigo
Um jovem de 17 anos foi levado em estado grave para a Santa Casa após ser esfaqueado na noite deste sábado, na frente da casa em que mora no Bairro G...
Após furtar obra, ladrão é capturado por moradores e ferido a tiros
Marcio Estacio Duarte Teixeira, de 31 anos, foi socorrido a Santa Casa de Campo Grande após ser atingido por dois tiros na madrugada deste domingo (1...


A questão é que as funcionárias reclamam por que querem férias, o que é devidamente merecido, tanto para elas quanto para as crianças! Mas essa não é uma briga entre MÃES e PEDAGOGAS/COORDENADORAS/RECREADORAS/DIRETORAS (CONTRATADAS OU NÃO) Esse deve ser um dever dos nossos GOVERNANTES, de dar opção (contratando pessoal para essa época) as MÃES que não podem tirar férias junto com seus filhos! O que não é o caso das CONTRATADAS OU CONCURSADAS nessa área que sempre vão ter esse privilégio! E além de tudo não generalizar, pois tem Mãe que é Mãe! E tbm temos Profissionais e Profissionais!
 
Luana Camargo em 06/01/2014 17:02:10
Quero fazer uma pergunta a quem é de direito:
Qual a empresa q favorece ao funcionario 45 dias de Ferias? Porque os CEINF'S tem todo esse periodo? Se fosse 30 dias, com certeza eu me programaria para tirar as ferias neste periodo.
 
Geovania Canhete de Souza em 06/01/2014 15:46:59
Eu acho muito engraçado reclamarem que a creche fecha, e tem q fechar mesmo, pois as funcionárias precisam descansar, e essas mães são muito folgadas, mesmo que a creche abre, mesmo elas estando de FÉRIAS elas nao ficam com seus filhos jogam o ano inteiro na creche, e depois querem reclamar, é claro q há exceções, mas o prefeito tem que rever isso, afinal, não é o direito da criança ficar tambem com a familia? ou será q tem q ficar o ano inteiro na creche, me polpem...
 
silvana lomarques em 05/01/2014 11:04:56
gostei muito desse assunto pois sou funcionaria publica e tenho trez filhos pois meus filhos também precisam de mim, esse povo acha k nos funcionários não temos família filhos, casa , essas crianças já ficam oito horas dentro de um ceinf cade o comprometimento dos pais qual e o momento em que eles dao amor e carinho a essas , crianças,daqui alguns anos as crianças vao sair da maternidade e ir direto pro ceinf cade o direito das crianças e deveres dos pais?
 
marcia martins em 05/01/2014 00:34:15
Bem, não vou entra no mérito de procriação.
Ninguém sabe o que será do dia de amanhã e o que faz uma mãe ter de recorrer a uma creche para tentar dar melhor qualidade de vida ao seu filho trabalhando.
Creio que é preciso haver um remanejamento por parte da prefeitura, ou de quem de direito, com relação a essa questão.Portanto, sou a favor de que repense de repente uma escala de férias em creches.
Pensamento meu !
 
Mari Rodrigues em 04/01/2014 15:07:24
deixo aqui minha indignação referente a essa matéria, como professora de Ceinf. Nós educadoras responsáveis pelas crianças também temos direito a férias, uma vez que os pais trabalhadores usufruem das suas. Nós precisamos descansar, recarregar as nossas energias para estarmos prontas para atuarmos no inicio do ano letivo, e o mais importante "criança também merece descanso e compartilhar de momentos de lazer ao lado dos pais", uma vez que a grande maioria das crianças passam quase 10 h por dia nos ceinfs
 
Ana Cláudia Santos em 04/01/2014 14:43:31
Eu acho muito engraçado isso... O povo vai procriando feito um bando de coelhos enfurecidos, e acha que a responsabilidade é do governo, da prefeitura... Eu sou do entendimento que filhos só deveria ter quem pode cuidar, sustentar, manter, educar, e essa não é responsabilidade dos municípios. Já tem escola, creche, material, uniforme, alimentação, médico e medicamentos, tudo de graça... querem mais o que? Nem num período de férias podem se programar pra cuidarem de seus filhos? Pra que os fizeram então? É bem certo que o poder público tem que ter suas responsabilidades, como garantir acesso ao ensino, educação, saúde e segurança... mas já estão querendo demais né? Agora quer que criem seus filhos também? Daqui a pouco não vão mais nem querer levá-los pra casa.
 
Ivone Arguelho em 04/01/2014 11:10:36
Independente da gestão ou da cidade creches não funcionam em períodos de férias, acho engraçado o povo reclamar da prefeitura minha mãe criou filhos sozinha em São Paulo e trabalhando em 2 empregos, tenho tias e amigas que idem, sempre souberam se resolver, é fácil ter filhos para o governo criar.
 
Anna Gonçalves em 04/01/2014 09:34:25
isso ocorre desde a gestao passada,entao o atual prefeito deve se programar e tentar resolver isso neste ano.
 
Joao batista em 04/01/2014 08:47:14
Adorei participar matéria e relatar às dificuldades do dia a dia de nós país e saber que alguns conseguem de uma dificuldade se ajudar e ajudar ao próximo.
Parabéns a Jornalista Lidiane Kober e o Fotógrafo Marcos Erminio pelo trabalho.
 
Camila Paim em 03/01/2014 22:36:36
Adorei participar matéria e relatar às dificuldades do dia a dia de nós país e saber que alguns conseguem de uma dificuldade se ajudar e ajudar ao próximo.
Parabéns a Jornalista Lidiane Kober e o Fotógrafo Marcos Erminio pelo trabalho.
 
Camila Paim em 03/01/2014 22:26:10
Nesses momentos é que eu gostaria de ver as instituições que velam pelos direitos das crianças, entrar com ações contra as violações de direitos e a dignidade humana. Onde esta o MPE, e a Defensoria Publica Estadual pra chamar o gestor municipal a sua responsabilidade. Se isso fosse dentro de uma Unei, onde o interno recebe toda assistência e ainda assim se nega a estudar a conversa era outra. Ou isso não é violação de direitos?
 
Jair da Costa Carvalho em 03/01/2014 21:09:23
acredito que as crianças menores de quatro anos precisam de férias, estar no convívio familiar, seja com os pais ou com os avós pois estas férias são importante para estas crianças que ficam o ano todo mais de oito horas diárias longe da família.Os pais precisam se programar para estar um período do ano com seus filhos para proporcionar a eles momentos de lazer, entretenimento amor e carinho que eles só poderão ter em família.
 
Valdenira Rodrigues em 03/01/2014 20:40:39
não tem nem vergonha na cara de falar uma coisa dessa,um projeto que beneficiaria milhares de mães campo-grandenses levar 4 anos pra sair do papel,dinheiro pra isso tem ,já que não esta pagando as contas da prefeitura.
 
valdir zatti em 03/01/2014 20:35:24
SEMPRE FOI ASSIM !!!!
 
paulo eduardo sandim em 03/01/2014 19:44:14
Educação Infantil primeira etapa da educ.basica,portanto não è competencia da SAS da Politica da Assistencia Social e sim competencia da SEMED Política de Educacao.Não podemos criar programas paliativos e sim garantir vagas para o período do ano letivo.CEINF _ ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCACAO INFANTIL, o Conselho Municipal de Educação tem caráter deliberativo.
 
Katia Motti em 03/01/2014 18:59:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions