ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Sem reajuste na tarifa de ônibus, consórcio quer multa de R$ 100 mil por dia

Prefeitura não cumpriu ordem judicial para elevar preço da passagem de R$ 4,65 a R$ 4,80

Por Caroline Maldonado e Maristela Brunetto | 31/01/2024 12:09
Ônibus em trânsito na região Norte de Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ônibus em trânsito na região Norte de Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

Enquanto a Prefeitura de Campo Grande espera resposta da Justiça sobre qual é o prazo que tem para reajustar a tarifa de ônibus, o Consórcio Guaicurus entrou com pedido para que a multa ao município estabelecida para o descumprimento passe de R$ 50 mil por mês para R$ 100 mil por dia. O consórcio alega que está tendo prejuízo com a falta de reajuste no preço da passagem de aproximadamente 105 mil passageiros por dia.

O consórcio quer que a prefeitura aumente o valor da tarifa ao usuário de R$ 4,65 para R$ 4,80. A Justiça já determinou o reajuste, medida liminar, mas a Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos de Campo Grande) apresentou, na segunda-feira (31), embargos de declaração no Tribunal de Justiça apontando que a decisão que determinou a aplicação de reajuste das passagens do transporte coletivo não foi cumprida ainda porque não ficou claro qual seria o prazo limite.

Na terça-feira (30), o consórcio então pediu o aumento da multa, à 4ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos da Comarca de Campo Grande, na qual tramita a ação.

“O requerente possui em média 105 mil passageiros por dia, consequentemente, o prejuízo é diário. Se multiplicarmos por 30 (trinta) dias, ele alcança R$ 472.500,00 (quinhentos mil reais). Esse é, portanto, o prejuízo mensal do agravante pela falta de implementação da nova tarifa, inadimplida desde 25.10.23”, argumenta o Consórcio.

O consórcio voltou a falar em “risco de prejuízo ao serviço” e prevê que o sistema de transporte entrará em colapso devido à impossibilidade de pagamento das obrigações financeiras mensais, dentre elas o salário dos funcionários com previsão para início de fevereiro.

A Guaicurus acredita que a elevação no valor da multa deve forçar a prefeitura a cumprir a ordem de reajuste e argumenta que o valor atual seria baixo e "não terá efeito prático no caso presente diante dos números apresentados acima, pois representa valor muito abaixo daquele que o Município precisa pagar ao requerente e certamente dará margem ao conhecido ‘inadimplemento eficiente’, em que uma das partes, vislumbrando uma oportunidade mais vantajosa, descumpre deliberadamente o contrato firmado”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias