A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

20/11/2015 20:00

Sem receber da Prefeitura, Santa Casa está sem estoque até de gaze

Flávio Paes
Hospital volta a alertar para o risco de suspensão do atendimento (Foto:Arquivo)Hospital volta a alertar para o risco de suspensão do atendimento (Foto:Arquivo)

Com mais de R$ 15 milhões em atraso para receber da Prefeitura, a Santa Casa está na iminência de um colapso, com o estoque quase zerado de alguns materiais básicos, como gaze medicinal, soro, seringas, agulhas, material de desinfecção de leitos e medicamentos imprescindíveis, como antibióticos. Os fornecedores que até então vinham entregando ao hospital insumos assim que recebiam pagamentos em atraso, deixaram de atender o hospital e agora exigem pagamento a vista.

O alerta foi dado pela entidade da mantenedora do hospital que comunicou a situação às autoridades da área da Saúde, tanto estadual quanto municipal, Ministério Público e demais segmentos ligados ao setor pela Associação Beneficente, mantenedora da Santa Casa. As condições mínimas de atendimento estão no limite”, informou o presidente da ABCG Wilson Teslenco.

“Toda a assistência à saúde está comprometida e chegamos a uma situação de caos em que leitos que acabaram de ser desocupados não podem ser utilizados por outros pacientes pelo fato de não termos como promover a desinfecção”, lamenta Wilson Teslenco, ao explicar que “a assistência está sendo adaptada ao volume de material disponível, ou seja, estamos reduzindo o atendimento”.

Para se ter uma idéia da gravidade da situação, nas últimas semanas a Santa casa vem pedindo medicamento emprestado ao Hospital Regional para poder atender determinados casos. Neste fim de semana, segundo Wilson Teslenco, o hospital chega a um estado crítico em função da falta de recursos financeiros e a conseqüente redução dos insumos.

A prefeitura deve ao hospital R$ 15,6 milhões e ficou de liberar parte deste montante nesta sexta-feira, o que até as 17h não havia ocorrido. “A Santa Casa está literalmente pedindo socorro, pois não temos de onde tirar dinheiro para manter o atendimento à população”, finalizou Teslenco



A SAÚDE PÚBLICA É UM CASO SÉRIO E NÃO PODE SER TRATADO COMO UM NEGÓCIO EM QUE VC NÃO PAGA E MESMO ASSIM CONTINUA FUNCIONANDO.
QUE CADA USUÁRIO DA ENERGIZA E ÁGUAS GUARIROBA POSSAM CONTRIBUIR COM 0.50 A 1.00 REAL. QUE PARECE POUCO, MAIS SE FOR NO MONTANTE SERÁ DE GRANDE AJUDA PARA TODOS QUE PRECISAM DA SAÚDE, NÃO PODEMOS MAIS ESPERAR SÓ GESTORES POIS NO USO DE CONVÊNIOS PARTICULARES NÃO SE PREOCUPARÃO COM VCS DO POVO, QUE OS COLOCAM NA GESTÃO.

E AGORA PERGUNTO AONDE ESTA O DINHEIRO, ILUMINAÇÃO PÚBLICA, LOMBADAS E RADARES ELETRÔNICOS, SEM SABERMOS O BALANCETE E USO DESTINADO A ESTE DINHEIRO QUE PODERIA SER DE USO PARA SAÚDE.

APOIO DO CAMPO GRANDE NEWS NESTA MISSÃO SERÁ MUITO IMPORTANTE.
 
santinho em 21/11/2015 07:45:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions