A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

21/10/2015 21:51

Sem receber,médicos suspendem cirurgias e atendimento ambulatorial na Santa Casa

Flávio Paes
Suspensão do atendimento no ambulatório afetará  300 pessoas diariametne (Foto :Divulgação)Suspensão do atendimento no ambulatório afetará 300 pessoas diariametne (Foto :Divulgação)
Presidente do hospital que instituição não fabrica dinheiroPresidente do hospital que instituição não "fabrica dinheiro"

Pelo menos 300 pessoas deixarão de ser atendidas diariamente  a partir desta quinta-feira no ambulatório  e 30 cirurgias eletivas não serão  feitas na Santa Casa de Campo Grande com a decisão dos 300 médicos prestadores de serviço  de entrar em greve a partir de amanhã. Eles cobram o recebimento pelos serviços prestados em setembro que deveriam ter sido pagos até o últimom dia 10.

A direção da associação mantenedora do hospital, garante que ainda não pagou os médicos  porque não tem em caixa os R$ 3 milhões necessários para honrar o compromisso com estes profissionais

“Não podemos fabricar dinheiro. O município não nos pagou os atrasados e até agora nem apresentou uma programação de quitação”,assegura em tom irônico o presidente da entidade,Wilson Teslenco.

A Santa Casa cobra da Prefeitura o recebimento de R$ 7,5 milhões referentes repasses dos meses de junho, julho e agosto. “Já foi pago o valor referente a setembro, R$ 19,750 milhões, que corresponde ao teto financeiro, os R$ 750 mil para amortização feito pela Santa Casa e mais R$ 3 milhões do extra-teto, R$ 500 mil a menos do que vinha sendo liberado”. Este recurso só foi suficiente para pagar a folha de pagamento dos funcionários e atender as despesas mais urgentes do hospital. 
De acordo com o diretor-clínico da Santa Casa, José Mauro Filho, há meses os salários estão sendo depositados com atraso, mas em outubro não foi dada para a categoria uma previsão de pagamento. A paralisação foi comunicada  na última sexta-feira ao Ministério Público Estadual (MPE) e Conselho Regional de Medicina.

 Desde setembro do ano passado o contrato da Santa Casa vem sendo prorrogado sucessivamente por 30 dias porque as negociações com a prefeitura não chegavam a um bom termo.  Estava prestes a ser renovado por cinco anos, mas no dia em que o documento seria assinado (25 de agosto), a Justiça determinou a volta de Alcides Bernal ao comando da Prefeitura.

Pelo acordo que estava sendo negociado, o município se comprometia a liberar R$ 3,5 milhões por mês além do teto-financeiro, com contribuição de R$ 500 mil do Estado. O teto, em torno de R$ 16 milhões, seria insuficiente para cobrir o custo operacional do hospital, em torno de R$ 19 a R$ 20 milhões por mês.

Até agora, quase dois meses de voltar ao cargo, o prefeito Alcides Bernal também não definiu uma propota. Limitou-se a prorrogar o contrato por mais 30 dias. Ele alega que as dificuldades financeiras do município inviabilizam o pagamento dos repasses em atraso.

 

Confundido com ladrão, homem causa acidente e acaba agredido
Flávio Guimarães Fernandes, 39 anos, foi confundido com ladrão e agredido por moradores após se envolver em acidente. O caso aconteceu na madrugada d...
Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions