ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Sem roupa e com marcas no pescoço, Carla foi encontrada pelo irmão e o primo

Jovem estava desaparecida desde terça-feira, no bairro Tiradentes

Por Kerolyn Araújo e Bruna Marques | 03/07/2020 08:37
Corpo de Carla foi deixado em calçada de mercado. (Foto: Kísie Ainoã)
Corpo de Carla foi deixado em calçada de mercado. (Foto: Kísie Ainoã)


Encontrada morta na manhã desta sexta-feira (3) na calçada de um mercado na esquina da casa onde morava, na Rua Nova Tiradentes, Carla Santana de Magalhães, 25 anos, foi deixada no local sem roupas. O corpo foi achado pelo irmão e pelo primo da vítima.

Segundo apurado pelo Campo Grande News, o pescoço da jovem apresentava ferimentos e o rosto estava roxo. Sem marcas de sangue no local, a polícia acredita que o corpo tenha sido deixado na calçada durante a madrugada.

O mestre de obras Carlos Araújo Magalhães, 56 anos, pai de Carla, está morando em Porto Murtinho e veio para Campo Grande após o desaparecimento. Ele lembrou que no dia que a filha sumiu, falou com ela por telefone duas vezes. A última ligação ocorreu minutos antes dela ser sequestrada.


Carlos Araújo Magalhães, 56 anos, pai de Carla, falou com a filha minutos antes do sequestro. (Foto: Kísie Ainoã)
Carlos Araújo Magalhães, 56 anos, pai de Carla, falou com a filha minutos antes do sequestro. (Foto: Kísie Ainoã)


''Ela disse que estava bem e saindo do mercado, que falaria comigo quando chegasse em casa. Depois tentei ligar de novo e não consegui mais contato", lembrou.  Carlos ressaltou que a filha não tinha problemas com ninguém e também não tinha vícios. ''Acredito que possa ter sido uma vingança, mas isso só a polícia vai saber dizer'', disse.

O caso está sendo investigado pela DEH (Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes de Homicídios). A polícia vai ouvir homens com quem Carla teve relacionamentos e e investiga todas as hipóteses, entre elas a possibilidade de feminicídio.