A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

14/04/2011 09:59

Servidores protestam contra projeto que acaba com concursos no HU

Vivianne Nunes e Ítalo Milhomen
Grupo de servidores se encontrou na manhã de hoje em frente a UFMS (Foto: João Garrigó)Grupo de servidores se encontrou na manhã de hoje em frente a UFMS (Foto: João Garrigó)

Um pequeno grupo de servidores públicos federais da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) protesta na manhã de hoje, contra a MP 520, (Medida Provisória) em tramitação no Congresso que permite a criação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares.

A estatal deverá reunir todos os hospitais universitários do País. A reclamação da categoria faz referência ao fato de que todos os servidores a serem contratados serão celetistas, ou seja, não haverá concurso público. Desta maneira, os trabalhadores não teriam o mesmo vínculo que tem um servidor público federal.

Para o presidente do Sista (Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino de Mato Grosso do Sul), Lucivaldo Alves dos Santos, isso pode causar a precariedade dos serviços. Ele questiona também o fato de haver dinheiro para investir nos Hospitais Universitários mas não para abrir concurso e contratar servidores para o HU.

O Hospital Universitário da UFMS tem um quadro com 900 servidores e pela estimativa da administração, precisaria de pelo menos mais 400 para se ter um atendimento de qualidade. Os serviços de secretariado e limpeza são terceirizados e uma das dúvidas da categoria é sobre o que será dos funcionários atuais. “Vão ser funcionários de uma empresa estatal, mas não serão servidores públicos federais, vão ganhar salários baixos em relação aos demais e isso pode causar a precariedade do atendimento”, questionou.

Outro ponto a ser discutido é com relação ao vínculo na pesquisa e extensão. De acordo com o sindicalista a questão do ensino com a atuação dos estagiários continua mas não haverá a obrigatoriedade dos médicos em fazer pesquisa e projetos de extensão.

A intenção do manifesto de hoje era paralisar as atividades mas apenas cerca de 30 dos dois mil servidores dos onze campus da Federal participaram do protesto em Campo Grande. O movimento acompanha uma paralisação nacional promovida pela Fasubra (Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores Técnico Administrativos da Educação), que estão em reunião hoje com a ministra do planejamento Mirian Belchior. Caso não haja acordo, há indicativo de greve para o próximo dia 25.

Sem identificação, baleado no Jardim Colibri morre na Santa Casa
Morreu na Santa Casa de Campo Grande, homem encaminhado depois de ter sido baleado, esta noite (22) na Rua Carricá, no bairro Alves Pereira, região d...
Suspeito é atingido por pelo menos três tiros no Jardim Colibri
Suspeito, ainda não identificado, foi baleado com pelo menos três tiros, esta noite (22) na Rua Carricá, no Alves Pereira, região do Jardim Colibri, ...
Idosa de 63 anos é amarrada enquanto bandidos faziam "limpa" em sua residência
Idosa, de 63 anos, foi mantida refém enquanto um casal de bandidos roubava sua residência, esta tarde (22) na Vila Nova Campo Grande, na Capital. Do ...


É CERTO QUE TEM QUE MUDAR AS REGRAS ATUAIS, SERVIDORES PUBLICOS HAVERÃO DE SER ADMITIDOS COM CONCURSO SIM, MAS A DEMISSÃO DEVE SER IGUAL AOS DEMAIS TRABALHADORES, NÃO É POSSÍVEL VOCE VER O QUE ACONTECE COM OS SERVIDORES PUBLICOS DE UMA MANEIRA GERAL.
INFELIZMENTE QUEM TOCA A MÁQUINA PÚBLICA, PRINCIPALMENTE EM PREFEITURAS, NÃO SÃO OS CONCURSADOS, MAS SIM OS COMISSIONADOS, OS CONCURSADOS SÓ ENROLAM.
E AI QUEM PERDE É A POPULAÇÃO COM ESTE VERDADEIRO CABIDE DE EMPREGO, PARA GENTE INCOMPETENTE. UMA PENA.
TEM QUE MUDAR AS REGRAS.
 
Pedro de Souza em 15/04/2011 07:52:07
quanto aos funcionários do hu deveria haver era uma fiscalização bem rigorosa,tem funcionarios demais,outros trabalham ou seja ficam lá por horas em demasia,só para rechear o holerith trabalho mesmo é só enrolação deveria haver sim uma moralização urgentemente porque quem paga por isso é o paciente
 
sebastião paulo pereira em 14/04/2011 10:28:30
É DIFICIL A SITUAÇÃO, SE NÃO PRESTA CONCURSO É APADRINHADO, SE FAZ CONCURSO E PASSA SE ENCOSTA PORQUE NÃO PODE SER DEMITIDO, TINHA QUE MUDAR A LEI DOS CONCURSADOS E COLOCA-LOS COMO FUNCIONARIOS NORMAIS, PISOU NA BOLA É RUA SEM DISCUSSÃO, PORQUE NÃO É JUSTO O CONCURSADO TER PRIVILEGIOS COMO ENTRAR EM GREVE SEM PERIODO DETERMINADO E NÃO PODER SER MANDADO EMBORA....TRISTE
 
MAXIMILIANO NAHAS em 14/04/2011 05:33:22
Esse é o nosso Brasil,enquando muitos estudam para fazer um concurso,outras esperam sentados pois tem vagas garantida,por algum conhecido.Dinheiro para o bolso dos políticos corruptos tem né!porque que para envestir em educação,saúde não tem??
 
Nathalia dos santos soares em 14/04/2011 04:46:54
O Estado arrecada muitos impostos Dessa forma, tem que devolver pelos menos em forma de empregos, pois já que não devolve em forma de educação, saúde, bons salários etc.
O Brasil está com uma legião de jovens e "velhos" sem oportunidade no mercado de trabalho. O que está acontecendo são pessoas sendo contratadas pelos orgãos públicos sem qualquer forma de avaliação ou concurso. Aquele que é competente, porém não tem conchavos, está indo ao desespero. Espero que esta situação mude o mais rápido possível, e que valorizem a competência e a honestidade(princípios basilares da administração pública).
 
edson f. chaves em 14/04/2011 02:50:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions