A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

16/09/2014 10:02

Tabu na sociedade: suicídio foi cometido por 35 pessoas em 7 meses

Aliny Mary Dias

Para muitas pessoas, o suicídio é um assunto distante da realidade, muito em razão do tabu com que o tema é tratado por autoridades e pela imprensa brasileira. Mas a verdade pode ser expressa em números. Desde o início do ano, 35 pessoas cometeram suicídio em Campo Grande e tantos outros casos seguem em investigação ou não entraram nas estatísticas.

O assunto chama ainda mais atenção diante dos números divulgados este ano pela OMS (Organização Mundial da Saúde). No ranking brasileiro, Mato Grosso do Sul ocupa a 3ª posição dos Estados com maior números de suicídio. Na colocação dos municípios do país, Amambai está em quarto lugar.

Para debater o assunto e também conscientizar profissionais da saúde sobre as doenças que levam até o ato extremo de tirar a própria vida, o 7º Seminário de Promoção à Vida e Prevenção ao Suicídio será realizado hoje e amanhã (16) na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) em Campo Grande.

O pesquisador e professor de bioética do Hospital Universitário, Edilson Reis, afirma que o suicídio deve deixar de ser um tabu, principalmente na mídia. “Existe o mito que se falar sobre o suicídio a incidência vai aumentar, mas estudos indicam o inverso. Todos falam de vários assuntos como tabagismo, alcoolismo e drogas e isso não incentiva as pessoas e sim orienta sobre a prevenção”, diz.

A depressão, em vários níveis, é considerada uma das maiores causadoras do suicídio. A pessoa com a doença se isola e se sente abandonado, sendo assim, a dor sentida não é compartilhada e acaba prejudicando ainda mais o indivíduo.

“Dados da OMS mostram que 90% das pessoas que cometerem suicídio não sabiam lidar com alguma situação, como a depressão, o stress e a angústia. Nosso objetivo é mostrar que além da visão clínica, é preciso ter uma visão social, emocional e até espiritual desse indivíduo”, completa o professor.

As inscrições para recebimento de certificado do seminário já foram encerradas, mas quem quiser participar pode ir até o LAC – Campus da UFMS, em Campo Grande, hoje e amanhã das 19h às 22h. Além do professor Edilson, o professor Luis Leão da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) também participa com a palestra "O suicídio e o mundo do trabalho contemporâneo".

Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


Outro número é a estimativa de que para cada suicídio consumado, há cerca de 10 a 20 tentativas frustradas. Assim, em Campo Grande, temos, a cada ano, entre 600 e 1200 pessoas em profundo sofrimento e desengano. Muitas delas ficam paraplégicas, dementes ou sofrem diversas outras sequelas pelo resto da vida. Isso sem falar na perplexidade e frustração dos familiares e amigos.
Se houver menos silêncio a respeito do assunto, mais gente pode vir a encontrar ajuda antes de chegar a esse ponto.
Em Campo Grande funcionam atualmente grupos de Neuróticos Anônimos, com reuniões diárias, oferecendo ajuda gratuita e eficaz. Pelo site da irmandade é possível encontrar os endereços e horários.
 
Paula Belisa em 16/09/2014 16:31:27
A população estimada de Campo Grande para 2014 é de 843.120, então corresponderiam a 0,007%. Estatisticamente, o correto seria comparar com o total de óbitos no ano. Em Campo Grande são cerca de 2800, resultando em 2,14% de mortes por suicídio desse total.
Outro cálculo que poderia ser feito é a respeito das mortes no trânsito. Em média 8,5 por mês, 102 por ano. Comparado com a população: 0,012% e com o total de óbitos: 3,64%.
No entanto, o tempo todo vemos notícias e campanhas diversas procurando conscientisar a população a respeito da necessidade de paz no trânsito.
De fato, o suicídio é um grande tabu. E o silêncio alimenta o sofrimento.
Parabéns pela matéria! Certamente irei ao evento.
 
Paula Belisa em 16/09/2014 16:11:58
Ninguem mais aguenta a impunidade nessa cidade, o politico rouba, faz o que quer, nossos hospitais estão uma porcaria, o transito pior ainda, a policia é preconceituosa, enfim, tá dificil continuar aqui na minha cidade, ou voce se muda ou se mata.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 16/09/2014 15:54:56
35 pessoas em 7 meses, o que dá 5 pessoas se matando por mês , média de a cada 6 dias uma pessoa se mata.

Ainda morrem muito mais gente de doença, de acidente, assaltada, sequestrada e de causas naturais. Se a população fosse de 100.000 pessoas, essas 35 representariam aproximadamente 0,03% da população. Então temos 2 formas de interpretar

0,03% da população cometeu suicídio. Ou podemos falar que 99,7% não comentem suicídio.
Ou seja. Ainda estamos muito bem em comparação com o oriente médio.


Quanto às famílias meus sinceros pêsames quanto aos entes perdidos.
 
Cyro Escobar Ribeiro Neto em 16/09/2014 12:32:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions