A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

22/11/2016 14:02

Tatuador encontra filho levado há 2 anos por mãe acusada de assassinato

Luana Rodrigues e Anahi Zurutuza
Adham segurando a foto do filho e Ayslane, filha de José Antunes Rodrigues de Oliveira, que teria sido assassinado pela mãe do garoto (Foto: Marcos Ermínio)Adham segurando a foto do filho e Ayslane, filha de José Antunes Rodrigues de Oliveira, que teria sido assassinado pela mãe do garoto (Foto: Marcos Ermínio)

Depois de dois anos sem notícias do filho, Adham Wahab, finalmente conseguiu falar com Nicolas, agora com 13 anos, na manhã desta terça-feira (22). Policiais do Espírito Santo prenderam Emory Luiza Rodrigues Ramos, 34 anos, mãe do garoto e acusada de ter assassinado José Antunes Rodrigues de Oliveira, 57 anos, em 2014, e depois ter fugido com o filho do tatuador de Campo Grande.

A mulher foi presa, escondida com Nicolas e os outros dois filhos, em Itaúnas, distrito de Conceição da Barra, no Espírito Santo - distante 1800 quilômetros da Capital de Mato Grosso do Sul.

Depois de lançar campanha nas redes sociais para encontrar o filho, o caso do tatuador ganhou repercussão na imprensa – local e nacional – e foi tema de matéria do Campo Grande News sábado (19).

Desde então, Adham tem recebido várias ligações com informações sobre o paradeiro da ex-mulher e do filho. “Nós repassamos as informações para a polícia, com cópia do mandado de prisão contra ela e eles foram atrás”, contou.

A confirmação de Emory realmente estava no distrito chegou para Adham nesta segunda-feira (22), no entanto, o posto policial mais próximo de Itaúnas ficava a 30 km, e a localização da mulher precisou ser mantida em sigilo até que a polícia chegasse ao local. 

Adham disse que só conseguiu falar com o filho na manhã de hoje. “Ele estava um pouco assustado, falei que estava com saudade, mas ele ainda não sabe de nada sobre a mãe”, explicou.

O tatuador já está preparando as malas para buscar o filho e o trazer de volta a Campo Grande. Já Emory deve permanecer presa no Espirito Santo até próxima decisão da Justiça. 

O crime – O corpo de José Antunes foi encontrado carbonizado no dia 22 de maio de 2014, mas segundo a polícia da Bahia, tudo aconteceu no dia anterior.

A vítima foi morta a pancadas e, segundo laudo necroscópico, também levou golpes de objeto perfuro-cortante. Conforme a acusação, Emory e o namorado dela, Geraldo Carvalho Carneiro Neto, 30 anos, mataram José para que pudessem ficar com uma certa quantia em dinheiro que pertencia ao tio dela.

O casal usou um cobertor com estampa infantil que pertencia a um dos filhos de Emory para levar o cadáver até uma estrada vicinal que liga Arraial D’ajuda a Trancoso, onde os dois atearam fogo, usando quatro litros de combustível.

José estava na casa da sobrinha em Arraial, distrito de Porto Seguro (BA), fazia pouco tempo. Ele teve problemas com a Justiça em Mato Grosso do Sul e por isso havia se mudado para lá.

“Meu pai já tinha ligado para a gente, contou que a Emory estava usando drogas, na frente das crianças inclusive, e disse que ia voltar, que não estava dando mais para conviver. Mas, depois disso, perdemos o contato”, conta Ayslane Oliveira, 30 anos, filha do homem assassinado.

A fuga – Sem conseguir falar com a vítima e com a acusada de assassinato, antes do desenrolar da investigação policial, a mãe de Emory, irmã de José, foi para a Bahia para buscar a filha.

“Minha tia disse que meu pai tinha ido embora, nós pedimos para ela registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento e ela fez. Depois, ela ligou dizendo que havia alguma coisa estranha acontecendo e pediu dinheiro para contratar um detetive. A gente mandou e foi com esse dinheiro que ela ajudou a filha [Emory] fugir”, continua Ayslane.

Neto confessou o crime e está preso no Conjunto Penal de Eunápolis (BA). Já Emory desapareceu com os três filhos – Nicolas, que hoje tem 13 anos, Luna, que a família estima ter 8 anos, e Rodrigo, 4.

A família também não tem mais contato com a mãe de Emory.

Adham e o filho, quando bebê (Foto: Arquivo pessoal)Adham e o filho, quando bebê (Foto: Arquivo pessoal)

Último contato – Adham foi casado por três anos com Emory, quando ela ainda morava em Campo Grande. Ele conta que o relacionamento era conturbado. Depois da separação, ela desapareceu com o filho do casal, que tinha 2 anos, por 11 meses. “Foi quando eu descobri que ela estava na Bahia”, lembra o tatuador.

Adham chegou a pedir a guarda do menino, mas os dois conversaram e decidiram que era melhor a criança fica com mãe.

Em 2013, Emory voltou para a Capital para terminar a faculdade de Direito na UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), mas ela decidiu retornar à Bahia e esta foi a segunda vez que o pai tentou ficar com o filho, mas a mãe não permitiu. “Eu sempre falava com ele, o visitava pelo menos uma vez no ano. Mas, era complicado”.

O último contado de Adham com o filho foi em 2014 mesmo, pouco antes do crime. “Ele me ligou chorando, pedindo para vir morar comigo. Ela pegou o telefone e desligou. Depois disso, só falei com ela no dia que [em fuga] me pediu dinheiro e nunca mais”.

Homem sob o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanandi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions