A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 24 de Abril de 2019

05/11/2018 10:55

Tenente-coronel foi preso pelo Gaeco com munições de calibre 7.62

Luiz Carlos, ex-comandante da Polícia Militar Rodoviária, foi preso pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado

Viviane Oliveira e Bruna Pasche
Sede do Gaeco em Campo Grande (Foto: arquivo/Campo Grande News)Sede do Gaeco em Campo Grande (Foto: arquivo/Campo Grande News)

O tenente-coronel Luiz Carlos Rodrigues Carneiro, 45 anos, ex-comandante da Polícia Militar Rodoviária, alvo da Operação Oiketicus, foi preso por posse irregular de 20 munições de calibre 7.62 encontradas durante cumprimento de mandado de busca e apreensão na casa dele, na Vila Jacy. As munições estavam na gaveta de um armário na garagem da residência. 

Ele passará por audiência de custódia na Justiça ainda nesta segunda-feira (5), para definir se ficará preso esperando o andamento do inquérito ou se poderá responder em liberdade. O tenente-coronel e um sargento, que não teve o nome divulgado, foram presos na quinta-feira (1º) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), que investiga a Máfia do Cigarro. No esquema, apurado em outras três etapas da operação Oiketicus, policiais recebiam propina para liberar o contrabando de cigarro vindo do Paraguai.

Além das ordens de prisões em Campo Grande, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão nos endereços dos alvos. A ação, resultante do aprofundamento das investigações, teve apoio da Corregedoria da Polícia Militar. De acordo com a assessoria da PM (Polícia Militar), foram decretadas as prisões temporárias e os presos levados para o Presídio Militar Estadual, em Campo Grande.

Fases - Na primeira fase da Oiketicus, realizada em 16 de maio, foram cumpridos 20 mandados de prisão preventiva contra policiais, sendo três oficiais, e 45 mandados de busca e apreensão. O saldo total foi de 21 prisões porque um sargento acabou preso em flagrante. Segundo a investigação, a remuneração para os policiais variava de R$ 2 mil por mês a R$ 100 mil.

A segunda etapa aconteceu no dia 23 de maio, com mandado de busca e apreensão na casa e escritório de servidor do TCE (Tribunal de Contas do Estado). A terceira fase foi em 13 de junho, quando mais oito policiais foram presos. Nome da operação, oiketicus é um inseto conhecido popularmente como “bicho cigarreiro”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions