ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SEGUNDA  06    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Teste em "corredor gastronômico" começa oficialmente e segue até janeiro

Estudos serão utilizados no projeto definitivo, que deve ser implantado no primeiro semestre de 2021

Por Ana Oshiro | 28/12/2020 12:11
Em projeto piloto, rua José Antônio teve "alagarmento" das calçadas (Foto: Divulgação/PMCG)
Em projeto piloto, rua José Antônio teve "alagarmento" das calçadas (Foto: Divulgação/PMCG)

Após meses de trabalho, o projeto piloto do "corredor gastronômico" da rua José Antônio, no centro de Campo Grande, começou oficialmente. Os testes devem ser encerrados no próximo mês, em janeiro.

O protótipo do projeto de requalificação e intervenção urbana é um teste para a implantação do corredor gastronômico na Capital. Com materiais leves, de baixo custo e reversíveis, as intervenções de urbanismo tático são temporárias e devem ser retiradas após o período de testes.

“Agora a testagem do projeto piloto começou. Com as intervenções concluídas queremos que a população utilize e se aproprie destes espaços que foram criados. Essa é uma iniciativa inédita de urbanismo tático na nossa cidade e caminhar pela José Antônio é uma experiência muito bacana”, convida a arquiteta Mayara Cunha, consultora do projeto.

Os estudos serão utilizados no projeto permanente, que deve ser implantado no primeiro semestre de 2021, quando devem ser feitas grandes obras de infraestrutura urbana no modelo das adequações e requalificação urbana que ocorrem na 14 de Julho.

Entre as intervenções, estão os alargamentos de trechos de calçadas, para ajudar nas dinâmicas tanto dos comércios e serviços da região, como na relação das pessoas moradoras e visitantes da área, funcionando como pequenos pontos de encontro e desfrute ao ar livre.

Segundo a prefeitura, foram semanas de muito trabalho, colaboração de voluntários e empresários que colocaram a mão na massa, regando as 900 mudas que foram cedidas pelo Viveiro Municipal Flora do Cerrado, e até varrendo as calçadas pintadas por várias mãos.

O projeto é financiado pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e a Prefeitura de Campo Grande entra com a cooperação técnica. Campo Grande foi a única cidade no Brasil a ser escolhida para participar dessa iniciativa.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário