ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Testemunha reafirma que assassino de Mayara mentiu no dia do crime

Mulher pediu para não depor na frente de Luís Alberto e repetiu a versão do que teria ocorrido no dia

Gabriel Neris e Liniker Ribeiro | 30/07/2018 15:49
Luís Alberto acompanha depoimentos de testemunhas no Fórum da Capital (Foto: Fernando Antunes)
Luís Alberto acompanha depoimentos de testemunhas no Fórum da Capital (Foto: Fernando Antunes)

Três testemunhas foram ouvidas pela Justiça na tarde desta segunda-feira (30) no caso da musicista Mayara Amaral, assassinada aos 27 anos, a golpe de martelo por Luís Alberto Bastos Barbosa, de 29 anos, em julho do ano passado. Uma funcionária do motel onde ocorreu o crime reafirmou que o rapaz mentiu no dia do crime.

A funcionária pediu para não depor na frente de Luís Alberto e repetiu a versão do, segundo ela, ocorreu naquele dia. A mulher contou que ele havia pedido cigarros no quarto onde estava e posteriormente foi pagar a conta. Quando conferiu tudo no quarto sentiu falta da acompanhante e viu que havia gotas de sangue.

Porém, como ele havia dito que Mayara tinha saído com o pai ainda durante a madrugada, devido a uma suposta hemorragia, a funcionária alertou o rapaz que teria de pagar somente uma taxa de R$ 10. Também contou que não desconfiou da possibilidade de ter ocorrido um crime.

A Justiça aceitou que Luís Alberto passe por exames de insanidade mental, antecipando de 5 de outubro para 7 de agosto . A defesa alega que o rapaz estava sob efeito de drogas no momento em que cometeu o crime e sobre crises de abstinência constantes no presídio.

Mayara foi morta no quarto do motel Gruta do Amor, na Euler de Azevedo, e o corpo foi encontrado parcialmente carbonizado na estrada que dá acesso a cachoeira conhecida como “Inferninho”, na Capital.

Nos siga no Google Notícias