ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Tratamento com planta africana promete fim da dependência química

Liana Feitosa | 05/07/2015 09:13
Terapeuta Jorge Nahabedian, de 27 anos, explica que técnica usa raiz de planta africana. (Foto: Marcos Ermínio)
Terapeuta Jorge Nahabedian, de 27 anos, explica que técnica usa raiz de planta africana. (Foto: Marcos Ermínio)

A substância promete curar qualquer tipo de dependência química em cinco dias e apenas com o uso de algumas pílulas. A ibogaína está no Brasil há mais de um ano e, há três meses, chegou a Campo Grande.

De acordo com o terapeuta Jorge Nahabedian, de 27 anos, um dos proprietários da única clínica que administra esse tipo de tratamento na Capital, o uso do fitoterápico é liberado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e, apesar de ter venda liberada no Brasil, é fabricado em laboratórios do Canadá e da Holanda.

Origem - “A ibogaína é extraída da iboga, uma planta de origem africana. A pílula vermelha do tratamento corresponde à raiz da planta e, a branca, são as folhas”, explica Jorge.

A ação da droga causa efeitos parecidos com o da ayahuasca, bebida feita de plantas amazônicas e que é conhecida por ser usada em rituais religiosos. No entanto, a raiz da planta africana é bem mais potente do que a ayahuasca.

Alucinógeno - Ao tomar a ibogaína, a pessoa tem alucinações e visões, como se passasse por um episódio de regressão. “Ela lembra dos motivos que a levaram às drogas. É como se ela passasse a enxergar sua situação de maneira mais ampla”, explica o terapeuta.

Por isso, ele acredita que o tratamento também tem cunho espiritual, já que são comuns relatos de pacientes que viram entidades e personagens religiosos. “Já tivemos pessoas que relataram ver Jesus, ver espíritos, enfim, entidades geralmente do contexto religioso no qual elas foram criadas”, pontua Jorge.

Apesar da boa notícia, a alternativa exige cuidados prévios. Pacientes com problemas cardíacos ou no fígado não podem se submeter à droga. Além disso, o interessado precisa ficar alguns dias em abstinência da substância da qual deseja se desintoxicar.

A pílula vermelha do tratamento corresponde à raiz da planta, segundo terapeuta. (Foto: Marcos Ermínio)
A pílula vermelha do tratamento corresponde à raiz da planta, segundo terapeuta. (Foto: Marcos Ermínio)

Cuidados - Além disso, o tratamento deve acontecer com acompanhamento. “As pílulas não são disponibilizadas em grande quantidade. É preciso passar por uma triagem, fazer exames obrigatórios e só a partir daí é que os comprimidos são desenvolvidos e administrados. Eles vão variar de acordo com a altura o do peso da pessoa, por exemplo”, detalha Jorge.

Outro cuidado é tomado ainda no começo do processo. Segundo ele, a planta precisa ser colhida no momento certo de maturação, senão fica imprópria para uso. Para isso, um médico se responsabiliza pelo acompanhamento da exploração do produto até o envio ao Brasil.

Entre janeiro de 2005 e março de 2013, o departamento de Psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) desenvolveu estudo sobre a sustância. A pesquisa comprovou que a ibogaína é cinco vezes mais eficaz na interrupção da dependência química do que os tratamentos convencionais.

Preços - Em Campo Grande, a alternativa é oferecida no centro terapêutico Soul Livre. O tratamento para combater o cigarro custa R$ 5.400 a prazo e 4.500 à vista. Para outros tipos de droga, como cocaína ou crack, o custo é de 7.200 a prazo ou 6.300 à vista. O valor à prazo pode ser dividido em até 10 vezes sem juros no cartão de crédito.

A clínica fica na Rua Tinhorão, 32, bairro Cidade Jardim. O telefone para contato é 3325-6579 e 9881-6579. Outras informações podem ser obtidas no site: http://www.soullivreterapia.com.br.

Nos siga no Google Notícias