A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

22/05/2013 09:38

Um ano após segurança morrer em semáforo, família cobra julgamento

Aliny Mary Dias
A esposa do segurança morto em frente ao semáforo onde o marido morreu. (Foto: João Garrigó)A esposa do segurança morto em frente ao semáforo onde o marido morreu. (Foto: João Garrigó)

O acidente de trânsito que matou o segurança David Del Vale Antunes completa um ano este mês, no dia 31 de maio, mas até agora não houve julgamento do motorista Richard Ildivan Gomide Lima, de 21 anos.

Indignada com a demora do processo, a esposa do segurança, Lays Mariane de Oliveira, de 24 anos, pretende fazer uma passeata para marcar um ano da morte do marido e cobrar justiça.

“É como se fosse um descaso com a morte do meu marido. Vai fazer um ano do acidente e nenhuma audiência aconteceu, eles só marcaram a primeira para o ano que vem. As portas continuam abertas para que outras pessoas sofram o que eu estou sofrendo”, conta Lays.

A caminhada deve ocorrer às 11 horas do dia 31 deste mês, está programada para começar em frente ao Miça Bar, na avenida Afonso Pena, onde David trabalhava, indo até o semáforo que fica em frente ao Shopping Campo Grande, local do acidente.

“Queremos o apoio de toda a população para que a morte do meu marido não seja esquecida e que o motorista pague pelo que ele fez”, afirma a esposa do segurança.

Conforme o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), dois processos, um da área cível e outro da criminal, apuram o acidente ocorrido na madrugada do dia 31 de maio de 2012, na avenida Afonso Pena em frente ao Shopping Campo Grande.

Imagens do radar instalado no semáforo mostraram que David estava parado no sinal vermelho quando o carro dirigido por Richard atingiu a moto do segurança. David morreu na hora e exames comprovaram que Richard estava bêbado.

O primeiro processo foi recebido pela Justiça no dia 6 de junho de 2012 e o primeiro depoimento de Richard no tribunal ocorreu no dia 13 de agosto. 

Em agosto do ano passado, a esposa de David entrou na Justiça com um segundo processo de indenização por dano material e moral. A última movimentação no caso ocorreu na segunda-feira (20) quando a audiência de julgamento foi marcada pela 8ª Vara Cível para 23 de janeiro do ano que vem. 

A esposa do segurança conta que a demora seria justificável se o motorista não tivesse sido identificado logo após o acidente. “Quando precisa juntar provas para ver o que aconteceu a gente até entende, mas nesse caso não precisa de mais nada. Tem imagens que mostram o motorista furando o sinal e atropelando meu marido”, conta Lays.

Richard foi solto em novembro do ano passado após a decisão do desembargador Dorival Moreira dos Santos, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), que aceitou o pedido de habeas corpus da defesa.

Segundo um dos advogados de Richard, Elias Pereira de Souza, o motorista responde o processo em liberdade, mas cumpre medidas restritivas impostas pela Justiça. Richard não pode sair da cidade, deve se apresentar todo mês no Tribunal e não pode dirigir.

Vida Nova - Sem esperanças de que o responsável pela morte do marido fosse julgado rapidamente, a esposa de David teve que se recuperar da perda e reerguer a vida.

O filho do casal, que hoje tem 2 anos, passa os dias sendo cuidado pelos avós, já que a Lays trabalha no período da tarde e noite e neste ano começou a cursar Direito incentivada pela demora da Justiça no julgamento de Richard.

“Eu sempre quis fazer alguma coisa ligada à Medicina, mas depois de tudo que aconteceu resolvi fazer Direito para entender os pontos de escape da lei”, afirma.

As perguntas do filho sobre o pai ainda comovem a família que espera na Justiça para que a morte do segurança não fique impune.

“A minha vida está desse jeito por um irresponsável e pelo descaso da lei em um julgamento que já poderia ter acontecido”, completa a viúva.



é revoltante só quem passa por isso sabe e sofre vejo o sofrimento e o desanimo do meu pai todos os dias pois já faz 2 anos e 7 meses que meu irmão CARLOS ANTONIO COSTA CARNEIRO (vereador de Alcinópolis), foi assassinado em plena luz do dia o pistoleiro preso os mandantes indiciados e as oitivas do mandante ainda nem começou e um descaso com a família que luta todos os dias buscando a JUSTIÇA e nada.......
 
ROSANGELA COSTA CARNEIRO em 22/05/2013 15:29:28
O rapazinho riquinho solto, coitadinho nao pode sair ou dirigir, mas tem motorista, já a viuva, vitima, tem que trabalhar mais para sustentar o filho e o único motorista que tem o do seu ônibus. É um absurdo, quanta impunidade, quem tem condições financeiras tem a benesse da liberdade e regalia. Estou indignado.
 
José Cunha em 22/05/2013 14:29:18
Olha a lei do nosso país não pune quem mata no trânsito de Campo Grande, pois se a pessoa é pobre responde rapidamente pelo que fez....isto é o Brasil....
 
Luana em 22/05/2013 10:55:43
Pior que o assassino ta solto.....
 
Emerson da Silva Santos em 22/05/2013 10:21:42
Quem trabalha com a justiça sabe bem a situação do nosso Tribunal.
Acho que lutar pelos direitos é justo e a viúva deve fazê-lo, mas dizer que há descaso porque o processo ainda não foi julgado é, no mínimo, falta de informação.

Infelizmente passamos por uma grande dificuldade e, há dias este site noticia, inclusive, que a situação no judiciário estadual é gravíssima, a ponto de fechar algumas comarcas.

Sendo assim, acredito ser totalmente descabida qualquer manifestação, se a intenção for cobrar o judiciário, a não ser que ela vise a melhoria para todos, não somente a prioridade para estes processos.

Opinião, cada um tem a sua. Acredito desta forma, mas respeito a dor e as atitudes da família.
 
Thiago Silva em 22/05/2013 10:12:51
Se fosse para tirar os índios da fazenda de um fazendeiro influente, já teria resolvido......MS ainda é terra deles os "latifundiários" influentes. VERGONHA.
 
João Paulo Aguilera de Paula em 22/05/2013 10:08:45
Triste mas é a nossa realidade. Provavelmente o criminoso têm parentes ou amigos influentes, o que causa esse "atraso" da justiça. Nossa justiça além de cega, é surda e muda em se tratando de gente de posse. Criminoso passa a ser a vitima. Que pena!
Mas como a justiça de Deus é perfeita e vem na hora certa, com certeza a hora desse bandido já está agendada.
 
Jéssica Santos em 22/05/2013 10:02:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions