ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 34º

Capital

UPA Vila Almeida tem problemas há mais de 2 anos, diz secretaria

Posto de saúde está interditado desde segunda-feira; Calha da unidade cedeu durante a chuva e local ficou alagado

Por Yarima Mecchi | 20/01/2017 10:39
UPA foi interditada na segunda-feira (16). (Foto: Adriano Fernandes)
UPA foi interditada na segunda-feira (16). (Foto: Adriano Fernandes)

A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Vila Almeida tem problemas estruturais há no mínimo dois anos, segundo a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública). A unidade está interditada desde segunda-feira (16), após várias salas ficaram alagadas e as paredes energizadas, com o risco de choque por causa de uma chuva que atingiu a região oeste de Campo Grande - onde está localizado o posto de saúde.

Conforme a nota encaminhada pela Sesau reparos já estão sendo feitos na UPA que atende em média 250 pessoas por dia. "Estão sendo feitos com mão de obra e material próprio, por isso ainda não é possível orçar o quando será gasto. Por enquanto, o que tem sido feito tem custo baixíssimo para os cofres públicos e resolve parte dos problemas da unidade que são de ao menos 2 anos atrás", diz a nota.

A secretaria destaca que em paralelo aos reparos emergenciais está sendo elaborado um projeto para uma obra no local, que requer mais recursos. Equipes da Sesau e da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos) fizeram uma vistoria no local para detectar os problemas e uma força tarefa foi estabelecida para fazer o serviço o mais rápido possível.

UPA ficou alagada. (Foto: Fernando Antunes/Arquivo)
UPA ficou alagada. (Foto: Fernando Antunes/Arquivo)

Ainda de acordo com a Sesau, forro e a a calha ficaram mais prejudicados pela ação do tempo e pelas chuvas. Equipes estão trabalhando para resolver as infiltrações e a troca da laje já foi determinada, além de um reparo no forro. "Toda a parte de acabamento dos locais mais afetados deve ser refeito".

Desde segunda-feira a uma equipe mínima com dois médicos, dois enfermeiros, quatro técnicos de enfermagem, dois administrativos, um farmacêutico e um assistente social está trabalhando na UPA para atender a demanda espontânea de urgência e emergência.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário