A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

06/03/2014 08:25

Vigilantes param trabalho até às 12h e bancos podem ficar sem dinheiro

Aline dos Santos e Viviane Oliveira
Grupo faz mobilização em frente à agência bancária na Barão do Rio Branco. (Foto: Simão Nogueira)Grupo faz mobilização em frente à agência bancária na Barão do Rio Branco. (Foto: Simão Nogueira)

Em meio a impasse na negociação salarial, o Sindicato dos Vigilantes suspendeu o transporte de valores e a segurança nas agências bancárias até meio-dia desta quinta-feira. Hoje pela manhã os trabalhadores realizam mobilização na avenida Barão do Rio Branco, em frente ao banco Itaú, em Campo Grande.

Às 11h30, a categoria fará assembleia na Capital, Dourados, Três Lagoas, Ponta Porã e Corumbá. À tarde, às 16h, os trabalhadores partem para a terceira rodada de negociações. As outras reuniões foram realizadas em 18 e 25 de fevereiro. Ao todo, são 43 empresas.

Segundo o presidente do Sindicato dos Vigilantes, Celso Adriano Gomes da Rocha, a paralisação vai até 12h, mas a população deve sentir os efeitos. “Ontem foi feriado e não deu tempo de abastecer todas as agências”, afirma.

Sobre a atuação dos seguranças nas instituições bancárias, Celso afirma que o trabalho interno pode ser feito sem agentes patrimoniais, mas a agência não pode abrir ao público. O transporte de valores começa às 5h30. Nos bancos, o trabalho é a partir de 7h30. 

A primeira proposta era reajuste de 16%, valor reduzido para 9% diante do impasse das negociações. Para quem trabalha em banco, o salário atual é de R$ 909,11 mais 30% de risco de vida. Quem atua no carro-forte recebe R$ 1.200 mais adicional de 30% por risco de vida.

Eles também buscam aumento do vale-alimentação. “De R$ 12,50 para R$ 15,50 por dia para o patrimonial, que trabalha em banco. E para o transporte de valores queremos que passe de R$ 370 para R$ 465 por mês”, salienta.

A categoria também quer o fim da compensação de horas para quem trabalha com transporte de valores, com pagamento de hora-extra quando a jornada for excedida. Em Mato Grosso do Sul, são oito mil vigilantes. Na Capital, são 1.800 trabalhadores.

Com impasse salarial, vigilantes fazem mobilização por greve
Em busca de reajuste de 9%, os vigilantes devem cruzar os braços amanhã, das 7h às 12h, para participarem de mobilização na Barão do Rio Branco, em C...
Durante discussão, adolescente de 17 anos é esfaqueado pelo amigo
Um jovem de 17 anos foi levado em estado grave para a Santa Casa após ser esfaqueado na noite deste sábado, na frente da casa em que mora no Bairro G...


Vergonha pro Estado, vergonha pra Campo Grande, lutar pelos direitos sem fazer greve é algo muito mais Respeitoso do que um bando de anarquistas colocando fogo em "Caixões".
 
Isaac Pancini Cacho em 06/03/2014 11:20:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions