ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Viúvo diz ter caído em golpe e que perdeu R$ 36 mil para advogados

Segundo a vítima, o valor deveria ter sido repassado a ele no ano passado, mas foi sacado pelos profissionais

Por Bruna Marques | 28/05/2024 11:30
Fachada da 3ª Delegacia da Polícia Civil, localizada no Bairro Carandá Bosque (Foto: Divulgação)
Fachada da 3ª Delegacia da Polícia Civil, localizada no Bairro Carandá Bosque (Foto: Divulgação)

Viúvo que briga na Justiça pela aposentadoria da esposa desde 2017, procurou a polícia nesta segunda-feira (27), e afirmou que os advogados que estavam responsáveis pelo processo lhe deram um golpe e com isso, ele perdeu mais de R$ 36 mil.

De acordo com o boletim de ocorrência, o homem de 31 anos, informou que a esposa morreu de Lúpus (doença inflamatória crônica de origem autoimune) no dia 26 de dezembro de 2017 e que meses antes de sua morte, a mulher teria entrado com pedido de aposentadoria, através do escritório de advocacia.

Em outubro de 2019, o viúvo começou a receber a aposentadoria da esposa, entretanto, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) recorreu da decisão referente aos pagamentos de dois anos e passou a pagar somente em 2020, ocasião que o homem procurou os advogados para que seu direito fosse defendido.

Na ocasião, os advogados deram entrada no pedido de pensão alimentícia pós-morte. Segundo o homem, o combinado era o escritório entrar em contato com ele assim que tivesse um posicionamento, mas passados três anos sem o retorno dos advogados, o rapaz foi até o Fórum e lá foi encaminhado ao Juizado Especial Federal Previdenciário, onde solicitou informações sobre a ação.

Para a surpresa da vítima, um funcionário informou que o valor de R$ 36.439,89 já havia sido pago no dia primeiro de maio de 2023, sendo que R$ 21.940,46, seria o valor de direito por pensão alimentícia referente aos anos de 2017 a 2019, e o restante seria o pagamento dos honorários do advogado.

Na sequência, a vítima foi até o banco e constatou que o valor depositado havia sido sacado pela advogada do escritório, no mesmo dia em que foi depositado.

Dias depois o homem procurou a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e lá orientá-lo a procurar o escritório, ao chegar no local, a secretaria avisou que os advogados não poderiam atendê-lo.

O caso foi registrado como apropriação indébita, na 3ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande.

O Campo Grande News entrou em contato com o escritório e o advogado responsável informou que o repasse do dinheiro foi feito ao cliente. “Eu não estava sabendo disso, fui verificar essa questão, nós fizemos o repasse pra ele. Acho isso um absurdo, nosso escritório é conceituado. Ele está recebendo pensão, é casado de novo, não deveria tá recebendo pensão. Tenho mais de três mil clientes, um absurdo isso, nunca tive problema com nenhum cliente”, disse.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias