ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 12º

Capital

“Vou poder tomar banho quente para ir trabalhar”, diz idosa que nunca teve casa

Entrega de habitação para moradores da antiga Cidade de Deus tem relatos comoventes da vida embaixo de barraco

Gabriela Couto e Karine Alencar | 05/09/2022 11:44
Ao lado de diretores das agências e da prefeita Adriane Lopes, dona Ambrósia recebe chave de casa. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ao lado de diretores das agências e da prefeita Adriane Lopes, dona Ambrósia recebe chave de casa. (Foto: Henrique Kawaminami)

Você acorda todos os dias, toma banho e se alimenta, antes de ir trabalhar. Como uma pessoa normal, numa realidade comum para a maioria dos cidadãos. Mas para dona Ambrosia Espíndola, 62 anos, essa ‘rotina’ foi por toda sua vida algo muito distante.

Ela nasceu em um barraco e viveu até hoje (5) embaixo de uma lona. A auxiliar de serviços gerais fazia parte da comunidade Cidade de Deus, localizada ao lado do lixão, foi transferida para a área do bairro Jardim Canguru, onde casas foram construídas em parceria do governo do Estado com a Prefeitura.

“A vida inteira nunca morei numa casa. Sempre vivi em barraco. Tô muito feliz. Aqui quando esfria, a gente sofre demais. Agora vou poder tomar um banho quente para ir para o serviço. Graças a Deus vou conseguir morar em uma casinha. Nem acredito. No lugar do barraco vou fazer uma hortinha, porque adoro plantar. Vou usar pouca coisa que tinha no barraco. Não vou usar coisa velha não. A chuva já estragou quase tudo”, conta ela, com as chaves nas mãos.

Com o filho mais novo no colo, Daiane mostra barraco onde viveu nos últimos anos. (Foto: Henrique Kawaminami)
Com o filho mais novo no colo, Daiane mostra barraco onde viveu nos últimos anos. (Foto: Henrique Kawaminami)

Ela e outras 11 famílias assinaram nesta manhã o documento que garante uma moradia digna. Todos os barracos que foram montados no lote onde as casas foram construídas terão que ser derrubados. Cerca de 150 famílias foram transferidas para o local em 2016, para a construção das casas. Enquanto não concluem todas as habitações, seguem de forma improvisadas em barracos.

A diarista Daiane dos Santos de Lima, 33 anos, foi uma das contempladas hoje. Ela já tem planos para a área ocupada pela lona que era usada para se abrigar com seus seis filhos, enquanto a asa não terminava.

Na porta de casa, a diarista exibe sorriso ao lado de quatro dos seis filhos. (Foto: Henrique Kawaminami)
Na porta de casa, a diarista exibe sorriso ao lado de quatro dos seis filhos. (Foto: Henrique Kawaminami)

“Fiquei dez anos no barraco e não vejo a hora de desmancharem e fazer um quintal para minhas filhas brincarem. A gente viveu todo esse tempo sem ter energia e água direito. Convivendo e dividindo espaço com bichos. Por isso estou muito emocionada. É um sonho realizado. Fora que barraco não tem segurança nenhuma, é feito de lona, madeira, agora posso trancar minha casa e sair com tranquilidade”, comemorou.

Quem também relembrou os momentos difíceis embaixo do barraco foi Erica Aparecida da Silva, 35 anos. “Foi uma luta muito grande até chegar aqui. A gente tomou muita chuva. As coisas estragavam em casa. Agora vou me mudar hoje mesmo”. Ela, o marido e três filhos tinham construído uma edícula no lote, para evitar os percalços em dias de chuva. O marido, Genival Salles, 45 anos, disse que vai manter a peça improvisada. “A gente decidiu fazer essa edícula no fundo, chovia muito aqui. E a água da rua de cima alagava todo o nosso barraco. Teremos uma pecinha a mais.”

Casa nova tem janela e garante segurança para a família de Daiane. (Foto: Henrique Kawaminami)
Casa nova tem janela e garante segurança para a família de Daiane. (Foto: Henrique Kawaminami)

Entregas – As 12 residências entregues hoje fazem parte do investimento de R$ 7,8 milhões do Estado e R$ 1,3 milhão do município. Ainda restam 35 para serem entregues até dezembro. Todas estão em fase de finalização.

“Nós recebemos a gestão em 2017 com as famílias que foram para a Cidade de Deus. E hoje a gente faz essa entrega dando qualidade de vida para essas pessoas. Elas moravam em situação irregular, sem infraestrutura, e hoje estão dentro de um lote, numa unidade pronta, com acabamento, água e energia”, explica diretor-presidente em exercício da Amhasf (Agência de Habitação e Assuntos Fundiários), Cláudio Marques.

Casas em fase final para entregas até dezembro deste ano. (Foto: Henrique Kawaminami)
Casas em fase final para entregas até dezembro deste ano. (Foto: Henrique Kawaminami)

Já a diretora da Agehab (Agência de Habitação Popular), Maria do Carmo, enfatiza o trabalho realizado até o momento. “Essa entrega de hoje é muito importante porque estamos atendendo cerca de 150 famílias que moravam em situações precárias. O estado junto com o município conseguiu atender com totalidade as famílias da comunidade Cidade de Deus.”

A prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (Patriotas), ressaltou que a cidade está em destaque quando o assunto é moradia no país. “Essas famílias fazem parte da Cidade de Deus estão no nosso plano de governo. Essa entrega de hoje faz parte do número que a Capital tem de destaque. Somos 20% das moradias entregues em todo o Brasil. Somos referência”, pontuou.

Érica e Genival recebem chave da diretora presidente da Agehab, Maria do Carmo. (Foto: Henrique Kawaminami)
Érica e Genival recebem chave da diretora presidente da Agehab, Maria do Carmo. (Foto: Henrique Kawaminami)


Nos siga no Google Notícias