A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

16/01/2011 12:30

Com abstenção de 20%, último vestibular de MS ainda possui defensores

Marcio Breda
Candidato para Medicina, João Marcos se diz confiante e garante que prefere vestibular ao Enem. Foto: Fernando DiasCandidato para Medicina, João Marcos se diz confiante e garante que prefere vestibular ao Enem. Foto: Fernando Dias

Com abstenção de 20% somente na Capital, 1.724 candidatos participaram neste domingo (16) do vestibular da Universidade Federal da Grande Dourados, o único realizado entre as universidades públicas de Mato Grosso do Sul. Cerca de 13 mil candidatos em 13 cidades participaram da seleção.

Em Campo Grande os candidatos realizaram provas na Escola Estadual Joaquim Murtinho. Apesar da concorrência – somente para Medicina são 102,28 candidatos por vaga – muitos defendem o “antigo método”, que com a chegada do (Exame Nacional do Ensino Médio), perdeu força e aceitação por parte das universidades.

“O Enem é muito cansativo. Sou contra ele ser usado como nota para entrada na universidade. Eu fiz, mas prefiro o vestibular”, diz a candidata Jéssica Ribeiro, que pela segunda vez concorre a uma vaga de Medicina.

Para Jéssica, que parou de trabalhar só para ter mais tempo de estudar para o vestibular, o Enem faz com que a competição por vagas aumente com a concorrência entre estudantes do Brasil inteiro.

A opinião é compartilhada por João Marcos. “Além de ser uma prova longa, o Enem faz com que a concorrência aumente. Por exemplo, de uma turma concorrida de 40 alunos no Estado, 30 podem ser de fora. É necessário esperar até que muitos desistam para que concorrentes daqui tenham chance”, opina.

João também concorre para uma das vagas de Medicina e apesar da concorrência, acha que foi bem e que será um dos alunos da turma de 2017. “Acho que fui bem. Estou muito confiante. Tomara...”

Abstenção – De acordo com o coordenador do vestibular da UFGD na Capital, Franz Maciel, a abstenção de 20% está dentro dos patamares do vestibular. “Nesta época do ano muitos inscritos já fizeram provas fora daqui. Para janeiro é uma porcentagem normal”, explica.

O vestibular da UFGD começou às 8 horas. Já a redação será à tarde, a partir das 14h30. Depois de Medicina, os cursos mais concorridos são Direito (21,75 candidatos/vaga), Administração (11,16 candidatos/vaga) e Agronomia (10,40 candidatos/vaga).

Inscreveram-se para o vestibular da UFGD 13.365 candidatos. Desses, 6.127 somente em Dourados. As provas também foram aplicadas em Amambai, Cassilândia, Corumbá, Coxim, Nova Andradina, Naviraí, Ponta Porã, Mundo Novo, Paranaíba e Jardim.



Candidatos dessa natureza, alegando concorrência de outros candidatos mais preparados, com certeza serão profissionais incompetentes. É um descaramento desproporcional desses candidatos a médicos "carniceros" tal preocupação. Imaginem-se esses folgados tratando da saúde das pessoas...
Outra coisa: achar que o vestibular tradicional - aquele da DECOREBA, do MACETE, do CHUTE, etc. - é melhor ou mais fácil que o do ENEM, é outra concepção indecente e imoral.
Com certeza esses "candidatos" são uma pequena amostragem dos péssimos profissionais que desfilam impunemente no seio da sociedade, deixando de ser o "profissional" formado (médico, advogado), para ser um mero polítiqueiro.
 
Pablo Ramenzzoni em 17/01/2011 12:05:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions