A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

17/06/2008 08:55

Confronto entre índios e PM termina com cinco presos

Redação

Um confronto no início da manhã desta terça-feira entre a PM (Polícia Militar) e índios da aldeia Passarinho em Miranda, que fica a 212 quilômetros de Campo Grande, terminou com cinco pessoas presas.

A PM foi para a fazenda Boa Sorte com oficial de Justiça para cumprir mandado de reintegração de posse. Segundo os policiais, quando eles conversavam com as lideranças do local, começaram a ser atacados com flechas, pedras e facão. A versão dos índios é bem diferente.

As lideranças foram oficiadas da determinação judicial e mesmo assim houve confronto, que começou com cerca de 60 índios e a mesma quantidade de policiais.

No entanto, de acordo com a PM, mais indígenas se aproximaram e passaram a atacar os policiais, que revidaram com balas de borracha e granadas de efeito moral.

Segundo a PM, quatro lideranças indígenas foram presas por desobediência e uma mulher por dano, pois quebrou um vidro da viatura com tijolo.

O proprietário da fazenda, Nilton Dias Miranda, disse que os índios invadiram a propriedade desde sexta-feira (13), alegando que a terra pertence a eles.

Esta foi a segunda vez que a propriedade de 55 hectares é invadida. A primeira foi em 18 de maio, e houve um acordo para que desocupassem.

O superintendente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Claudionor Miranda do Carmo, deve ir para Miranda.

Índios - Os indígenas contam outra história sobre o que ocorreu hoje e contabilizam apenas quatro presos: Jaime de Almeida, Florindo da Silva Filho, Ramona Quirino Araújo e Normberto Lopes.

Segundo lideranças, a Polícia chegou com a determinação da Justiça Estadual, que foi contestada pelos índios, assim como a desocupação na madrugada, o que é arbitrário, reclamam.

Ao serem comunicados que as famílias não aceitavam deixar a área, os policiais teriam feito ameaças e, "para intimidar as família, saíram atirando para o alto e jogando bombas de efeito moral. Muita gente ficou machucada, até crianças", conta o terena Jelson de Almeida.

Os terena argumentam que decidiram entrar na área pela segunda vez na última sexta-feira, diante da demora nos estudos antropológicos para a demarcação da terra indígena reivindicada por eles.

As famílias que vivem hoje nas aldeias Passarinho e Moreira ocupam 160 hectares em Miranda, mas receberam da Procuradoria da República a informação de que os registros mostram que na verdade eles têm direito a 208 hectares.

A diferença seria, justamente, onde fica a propriedade invadida no dia 13. "Temos fotos que mostram que a área é nossa", garante Jelson.

Sobre as ameaças que índios teriam feito ao dono da área, o terena afirma que nada disso ocorreu. "Pelo contrário, já procuramos até o Ministério Público para denunciar as ameaças de morte feitas pelo Nilton contra o cacique da Passarinho", assegurou.

 

Apostadores de quatro estados são os mais novos milionários do país
Apostadores de quatro estados acertaram os seis números da sorte da Mega-Sena e são os mais novos milionários do Brasil. Os sortudos são de Salvador ...
MPE realiza processo seletivo para estagiários em 37 cidades neste domingo
O MPE (Ministério Público Estadual) aplica neste domingo (24) as provas do processo seletivo para estagiário em 37 cidades do Estado. As avaliações c...
Uems recebe inscrição para teste de proficiência em três idiomas até quarta
Segue até a próxima quarta-feira (dia 27) o período de inscrição para o exame de proficiência de leitura em inglês, francês e espanhol. O interessado...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions