ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

Donos de áreas ocupadas por índios acionam Justiça por indenizações

Ricardo Campos Jr. | 19/06/2015 18:00
Terra indígena Buriti durante ocupação (Foto: arquivo / João Garrigó)
Terra indígena Buriti durante ocupação (Foto: arquivo / João Garrigó)

Cansados de negociar em vão com o Governo Federal, donos de oito propriedades ocupadas por indígenas do complexo Buriti em Sidrolândia, a 71 km de Campo Grande, processaram a União pedindo indenização por desapropriação indireta. As ações foram protocoladas no começo do mês pelo advogado Newley Amarilha, dois anos após a vinda do ministro Eduardo Cardozo ao estado prometendo resolver a questão.

Além do ressarcimento pelas terras perdidas, os fazendeiros também querem juros compensatórios de um por cento sobre valor das propriedades para cada mês de ocupação. Essa compensação pode ultrapassar os R$ 60 milhões, segundo estima Amarilha.

Segundo ele, a medida transforma a situação em uma espécie de “bomba relógio”, já que quanto mais demora, mais altas as indenizações. “A omissão do Estado Brasileiro em resolver essa questão custa muito aos contribuintes”, afirma o advogado.

Foi aberto um processo para cada uma das seguintes propriedades: São José, Lindoia, Buriti, Cambará, Três R, Quitandinha, Santa Terezinha e Bom Jesus.

Problema – O Governo Federal chegou a propor indenizações de R$ 80 milhões aos produtores rurais, mas as discussões travaram nos valores. Os fazendeiros consideraram baixos os preços propostos pela União, fizeram uma avaliação particular e pediram R$ 130 milhões, que foram rejeitados.

Agora, conforme Amarilha, quem vai determinar o preço será o Judiciário, que indicará alguém para ficar responsável por analisar o valor das áreas e estipular um preço de uma vez por todas.

História - A propriedade do ex-deputado estadual e ex-secretário estadual de Fazenda, Ricardo Bacha, foi ocupada por um grupo de cem índios no dia 15 de maio. Dias depois, o número de indígenas subiu para 600 e equipes do MPF (Ministério Público Federal), Polícia Federal e Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) acompanharam o confronto. Depois que Oziel foi baleado, a sede da fazenda foi queimada.

Em junho de 2014, produtores sinalizaram um acordo ao decidirem aceitar, parcialmente, a proposta do Governo. Eles pediram o direito de continuar reivindicando na Justiça a diferença para que a indenização chegasse ao valor pedido. No entanto, nada ficou resolvido nas últimas negociações, ocorridas no ano passado.

O Campo Grande News entoru em contato com o Ministério da Justiça para falar sobre as ações, mas até a publicação desta reportagem não houve retorno.

Nos siga no Google Notícias