A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Agosto de 2017

29/01/2015 22:22

Ministro, governador e deputados debatem desdobramentos do caso Fazenda Buriti

Daniel Machado
Os principais itens da agenda foram a questão indígena e a segurança na região de fronteira. (Foto: Divulgação)Os principais itens da agenda foram a questão indígena e a segurança na região de fronteira. (Foto: Divulgação)

Uma comitiva de Mato Grosso do Sul esteve reunida na manhã de hoje (29), em Brasília, com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT).

Na comitiva, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Maria de Luca Miki, o senador WaldemirMoka (PMDB), o deputado federal Antonio Carlos Biffi (PT), o deputado federal eleito Carlos Marun (PMDB) e o deputado federal Vander Loubet (PT), coordenador da bancada de MS no Congresso Nacional.

Os principais itens da agenda foram a questão indígena e a segurança na região de fronteira.

Sobre a questão indígena, o ministro afirmou que o processo de aquisição da Fazenda Buriti, no município de Sidrolândia, está em fase final. "Será um marco nacional na resolução de conflitos envolvendo a disputa de terras por indígenas e produtores rurais", afirmou Cardozo, que destacou a importância da solução encontrada como algo inédito e uma referência para casos semelhantes envolvendo índios e produtores.

Esforço conjunto - Ainda na reunião, o governador Reinaldo Azambuja levou ao ministro da Justiça a preocupação com a segurança pública na faixa de fronteira com a Bolívia e o Paraguai.

O governador lembrou a importância de atender os moradores da região de fronteira, que abrange 13 municípios e mais de 400 mil pessoas. "O Estado precisa criar infraestrutura e condições para levar melhorias aos moradores dessa importante região", frisou Reinaldo.

Para o deputado Loubet, é preciso avançar na repressão ao crime. "É fundamental que a gente tenha na região de fronteira ações e projetos de desenvolvimento econômico porque a geração de emprego e renda é uma forma de combater a criminalidade, principalmente entre os mais jovens. Mas também precisamos que a criminalidade não fique sem resposta. Por isso esse entendimento, esse esforço conjunto entre o Governo Federal e o Governo do Estado, é mais que necessário para promover as ações que a fronteira precisa na questão da segurança", disse.

Ao fim da agenda, ficou acertada para depois do carnaval a realização de uma atividade em Mato Grosso do Sul com a participação dos órgãos de segurança tanto da União (Ministério da Justiça, Ministério da Defesa, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Exército, etc) quanto do Estado a fim de discutir e dar encaminhamentos práticos para ações de combate ao tráfico de drogas, contrabando de armas e outros produtos e outras atividades criminosas.

"Será o primeiro [evento] do gênero em todo o país. E começar por Mato Grosso do Sul é estratégico pois além da questão da fronteira, o Estado tem um ótimo índice de execução de projetos em convênios com o Governo Federal na área da segurança e isso para nós é muito importante", concluiu José Eduardo Cardozo.

Juiz Sérgio Moro nega suspensão de segundo interrogatório de Lula
O juiz federal Sérgio Moro negou nesta sexta-feira, 18, o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para adiar seu interrogatório m...
Cármen Lúcia determina que tribunais divulguem salários de magistrados
A ministra Carmen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), assinou nesta sexta (18) uma portaria ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions