A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

15/08/2009 11:46

Dor após morte de filhas no exterior une mães

Redação

Terezinha Corrêa Lopes e Reinaldo Lopes, mãe e irmão da campo-grandense Valéria Lopes, 27 anos, que faleceu na Itália há 7 anos, resolveram procurar a família de Patrícia Nerino Penha, 23 anos, que morreu em Portugal na madrugada de segunda-feira, para prestar solidariedade.

Sensibilizados com o drama dos familiares de Patrícia e com a experiência de já terem passado por problema semelhante, é a terceira vez que Terezinha e Reinaldo ajudam parentes de pessoas que morreram no exterior.

Para Reinaldo Lopes, a falta de informações é o principal entrave enfrentado por quem perde um parente e fica no Brasil aguardando notícias.

"A gente entende muito bem a angústia desta mãe, o grande problema é que, além de perder alguém da sua família, você ainda tem que lidar com o fato de não ter informações a respeito do que acontece", afirmou o irmão de Valéria, que trabalhava na Itália lavando pratos em um restaurante e morreu tentando salvar os filhos da patroa de um incêndio.

A mãe de Valéria afirma que a morte de Patrícia a faz lembrar do problema que enfrentou com sua filha, há 7 anos.

"Volta tudo na minha cabeça. Só quem passou a mesma coisa que ela, pode sentir", afirmou.

Reinaldo e Terezinha ficaram sabendo da morte de Patrícia pela imprensa, e resolveram procurar sua família por já terem experiência na busca de informações no exterior.

Na época, eles mobilizaram políticos de Mato Grosso do Sul, a embaixada do Brasil na Itália e até o Itamaraty.

Por sorte, a prefeita da cidade onde Valéria faleceu viu imagens de sua mãe chorando em Campo Grande, se sensibilizou e pagou para que o corpo fosse trazido ao Brasil.

No caso de Patrícia, as coisas estão um pouco mais complicadas. Na próxima segunda-feira, faz uma semana de sua morte e até agora, há poucas informações sobre as circunstâncias de seu falecimento em Portugal.

Após dez dias de internação em hospitais psiquiátricos em Lisboa, Patrícia faleceu e nem a causa da morte foi esclarecida aos familiares.

Em busca do sonho de cursar uma universidade, Patrícia deixou o Brasil e foi trabalhar na Europa. Lá conheceu o douradense Diego Pavão, 20 anos, com quem passou a conviver.

A moça já estava com data da viagem de volta marcada porque não queria mais viver longe da família. Patrícia retornaria em 9 de setembro, segundo revelou a mãe Guilhermina Nerino, 43 anos.

Guilhermina conta que Diego levou Patrícia ao hospital público Curry Cabral porque estava muito deprimida. A intenção era que a jovem ficasse lá por poucos dias.

Porém, após cinco dias de internação, Patrícia foi transferida para o hospital Júlio de Matos.

O agravamento do quadro clínico de Patrícia levou o irmão Alexsander Nerino Penha, 28 anos, a Lisboa. A mãe afirma que na manhã do domingo, véspera da morte, o rapaz conversou com Patrícia.

Segundo Guilhermina, Patrícia estava bem, conversou com o irmão e o beijou. Alexsander disse à jovem que voltaria à tarde, quando teria novo horário de visitas.

Entretanto, ele não pôde mais ver a irmã. Mesmo estando no hospital, à espera de informações, não foi comunicado do falecimento de Patrícia.

No momento da visita, funcionários do hospital disseram a Alexsander que a moça não receberia visitantes porque dormia sob efeito de medicamentos.

Somente quando a mãe ligou do Brasil para o hospital, teve conhecimento da morte. "

Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
Curso de instrutor de trânsito do Detran oferece 50 vagas na Capital
O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está com inscrições abertas para o curso de Formação de Instrutor de Trânsito e...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions