A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

03/03/2013 15:38

Eleições ocorrem com tranquilidade em nove cidades do país

Mariana Tokarnia, repórter da Agência Brasil

As eleições em nove cidades brasileiras se iniciaram por volta das 8h. Ao todo mais de 410 mil eleitores escolhem hoje (3) os prefeitos e vice-prefeitos das cidade de Eugênio de Castro (RS), Novo Hamburgo (RS), Sidrolândia (MS), Camamu (BA), Balneário Rincão (SC), Campo Erê (SC), Criciúma (SC), Tangará (SC) e Bonito (MS).

Segundo os Tribunais Regionais Eleitorais dos estados, os pleitos ocorrem com tranquilidade, apesar da ausência de mesários em algumas cidades, da ocorrência de defeitos em urnas e do registro de casos isolados de boca de urna.

Cerca de 35% dos mesários de Novo Hamburgo (RS), que correspondem a 550 pessoas, não compareceram às zonas. A Justiça Eleitoral da cidade teve de convocar voluntários inscritos como suplentes para ocupar algumas dessas vagas.

As substituições porém não foram suficientes: as zonas eleitorais, que deveriam funcionar com quatro mesários, funcionam com três ou mesmo dois. Alguns dos mesários foram acusados de boca de urna. Com isso, a Justiça Eleitoral expediu quatro mandados de prisão.

Em Mato Grosso do Sul, na cidade de Bonito, o primeiro colocado nas eleições, Geraldo Marques (PDT), teve o registro de candidatura cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na cidade, concorrem Leonel Lemos de Souza Brito (PTdoB), conhecido como Leleco, e Odilson Soares (PSDB).

Na cidade de Sidrolância (MS), os candidatos a prefeito são Ari Basso (PSDB) e Acelino Cristaldo (PMDB). Enelvo Felini (PSDB), prefeito eleito de Sidrolândia teve o registro cassado por ter aplicado índices inferiores aos 60%, determinados em lei do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

Em Criciúma (SC) houve a substituição de uma urna devido a problemas com o teclado. Em Camamu (BA) foi feita a substituição de uma urna e realizadas duas prisões, uma por boca de urna e uma por transporte irregular de eleitores.

As nove cidades são atualmente comandadas pelos presidentes das respectivas Câmaras de Vereadores. As eleições de outubro foram anuladas porque os candidatos com mais de 50% dos votos válidos tiveram os registros de candidaturas rejeitados pela Justiça Eleitoral, em julgamento posterior ao pleito.

No Rio Grande do Sul, Tarcísio Zimmermann (PT), candidato vencedor em Novo Hamburgo, teve o registro de candidatura cassado devido a condenação sofrida pelo político em 2004, pela participação irregular em um evento de inauguração de um Centro de Atenção Socioeducativo. A decisão ainda estava em vigor no momento do registro de sua candidatura. Agora, concorrem à prefeitura da cidade, José Luiz Lauermann (PT) e Paulo Roberto Kopschina (PMDB).

Em Eugênio de Castro (RS), em primeira instância, os registros da chapa composta por Roberto Bruinsma (PP) e Jaime Dionir Zweigle (PP) - candidatos a prefeito e vice respectivamente - e do do suplente de vereador Ronaldo Mendes Teixeira (PP) foram cassados.

Os três políticos também ficaram inelegíveis por oito anos. Bruinsma recebeu, ainda, multa de 50 mil em Unidade Fiscal de Referência (Ufir), e Teixeira, multa de R$ 25 mil. Concorrem ao cargo Horst Daltro Steglich (PSDB) e Sirlei Maria Reginaldo (PP).

Na Bahia, as eleições acontecem apenas na cidade de Camamu. De acordo com o TSE, dos cinco candidatos que concorreram nas eleições majoritárias em outubro de 2012, quatro tiveram as candidaturas negadas. Desses, três desistiram de entrar com recurso no TSE e um, Zequinha da Mata, que concorria pelo PP, renunciou um dia antes do pleito, lançando como substituta a irmã Emiliana de Zequinha da Mata (PP). Emiliana volta a concorrer hoje. Como concorrentes, Chico Vasconcelos (PMDB), Luiz Oliveira da Luz (PRB), Noélia Maria Nascimento da Silva (PRP) , Francisco Vasconcelos (PMDB) e Deroakson Mattos Rosa (PHS).

Em Santa Catarina, na cidade de Balneário Rincão, concorrem Décio Góes (PT) e Jairo Custódio (PMDB). Góes venceu a eleição para prefeito em outubro passado, mas seus votos não foram computados por ele ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010). Como a punição de oito anos sem direitos políticos, prevista na lei, terminou no dia 31 de dezembro de 2012, Góes se inscreveu para concorrer nesta nova eleição do dia 3 de março.

Em Campo Erê (SC), Odilson Vicente de Lima (PR) também teve o registro indeferido com base na Lei da Ficha Limpa. Os candidatos a prefeito são Itamar Andreatta (PSD) e Rudimar Borcioni (PT). Na cidade catarinense de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB) foi considerado inelegível pelo TSE com base na Lei da Ficha Limpa. Concorrem Fábio André Brezola (PT), Américo Ricardo de Faria (DEM), Cíntia dos Santos (PSTU), Márcio Burigo (PP) e Rodrigo Maciel (PCB).

Em Tangará (SC), o prefeito reeleito, Robens Rech (PMDB), teve o pedido de registro de candidatura negado pelo TSE. São candidatos desta vez Euclides Cruz (PSD) e Girlene Borsói (PMDB).

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions