ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 25º

Empregos

Iagro abre concurso para contratar 100 servidores com salário de até 3,7 mil

Leonardo Rocha | 09/10/2013 09:02

O Governo estadual publicou, no Diário Oficial do Estado, a abertura de concurso para a contratação de 100 servidores para trabalhar na Iagro (Agência de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul). Os salários variam de R$ 1.337,00 até R$ 3.745,00. As vagas são para 56 cidades do Estado e o período de inscrição se inicia hoje e se estende até o dia 24 de outubro.

Três cargos foram oferecidos pela instituição, fiscal estadual agropecuário, gestor estadual e agente fiscal agropecuário. Aos fiscais estaduais foram abertas 42 vagas para médicos veterinários, 6 agrônomos e 2 químicos, com salário de R$ 3.745,00.

Os gestores estaduais, com habilitação em ciências contábeis terão duas vagas e subsídio de R$ 2.140,00. Já os agentes fiscais agropecuários, que devem ter o ensino médio completo e curso profissionalizante de técnico agropecuário ou agrícola, contam com 48 vagas, e salário de R$ 1.337.00.

Serão destinadas 5% de vagas para pessoas com deficiência, 10% para negros e 3% para índios. Os deficientes devem encaminhar laudo médico até o dia 24 de outubro. A taxa de inscrição para ensino médio será de R$ 89,60 e para ensino superior R$ 143,36. Quem quiser requisitar isenção da taxa (inscrição) deve enviar pedido nos dias 9 e 10 de outubro.

Prova – O concurso do Iagro será dividido em três etapas: escrita objetiva, prova de títulos e investigação social. A previsão é que a prova escrita seja realizada no dia 1 de dezembro, em Campo Grande, no período da manhã.

Polêmica - No dia 1 de outubro os deputados aprovaram em primeira votação o projeto que previa a criação das 100 vagas da Iagro. O projeto gerou polêmica na Casa de Leis, quando a mesa diretora colocou para votação no dia 12 de setembro, em regime de urgência, e foi rejeitado pelos deputados que preferiram analisar melhor o texto.

O que mais gerava divergência era em relação à contratação de novos profissionais para classe A, grupo iniciante, sem que houvesse a promoção daqueles que já eram efetivos na instituição, seguindo assim o plano de cargos e carreiras.

Nos siga no Google Notícias