A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

01/09/2010 08:23

Empresários de Dourados são ouvidos na Polícia Federal

Redação

Empresários de Dourados estão sendo ouvidos na delegacia da PF (Polícia Federal). Hoje, a PF deflagrou a Operação Uragano (furacão em italiano) e vai cumprir 29 mandados de prisão temporária e 38 conduções coercitivas.

Estão na delegacia os empresário Celso Dal Lago, dono de usina no município, e Edson Freitas da Silva, da empresa de construção civil Vale Velho. Contudo, a polícia não informa se os empresários estão presos ou somente prestando informações.

A ação que investiga direcionamento de licitações por meio de corrupção de servidores públicos e agentes políticos. De acordo com a PF, o prefeito Ari Artuzi (PDT) chefiava o esquema. Ele e mais nove dos 12 vereadores da cidade foram presos.

A primeira-dama Maria Artuzi foi presa em Brasília, onde participava de evento sobre políticas públicas para a mulher. Foram apreendidos cerca de R$ 100 mil na casa do prefeito.

A operação devastou a prefeitura de Dourados e o poder legislativo. Foram detidos o presidente da Câmara e candidato a deputado estadual, Sidlei Alves (DEM), Humberto Teixeira Júnior (PDT), Aurélio Bonatto (PDT), Zezinho da Farmácia (PSDB), José Carlos Cimatti (PSB) e Marcelo Barros (DEM). O vereador Gino José Ferreira (DEM), segundo suplente de senador de Waldemir Moka (PMDB), apenas prestou depoimento.

De novo - A exemplo da Operação Owari, realizada em julho do ano passado, o primeiro escalão da prefeitura foi novamente desmontado. Estão detidos os secretários municipais Ignes Boschetti (Finanças), Dirson Sá (Obras), Marcelo Hall (Serviços Urbanos), Alziro Moreno (advogado-geral do município), Tatiane Moreno (Administração).

Também há informações que foram detidos Edmilson Moraes (secretário de Educação) e Dirceu Degutti (secretário-adjunto de Saúde). A PF apreendeu documentos na casa do vice-prefeito Carlinhos Cantor. Ainda foi detido Darci Caldo, ex-secretário de governo que deixou o cargo após ser preso pela PF na operação Owari.

Pagamento - De acordo com a PF, as fraudes consistiamm no direcionamento de licitações por meio de corrupção de servidores públicos e agentes políticos. Os acordos fechados com as empresas escolhidas ilicitamente rendiam 10% do valor do contrato.

Os valores arrecadados serviam para o pagamento de diversos vereadores de Dourados, para caixa de campanha e compra de bens pessoais do prefeito. As investigações começaram em maio deste ano.

As prisões foram autorizadas pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e pela 1ª Vara Criminal de Dourados. (Colaborou Antônio Coca, do Dourados News).

Governo altera datas de teste físico de concurso da Polícia Civil
Foram alteradas as datas para realização da avaliação de aptidão física dos candidatos que continuam a participar do conurso público para escrivão e ...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions