A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

05/12/2013 17:43

Escolas usam tecnologia para suprir defasagem do ensino na Capital

Viviane Oliveira
Grupo Brilhantina, da Escola João Carlos Flores, abriu a apresentação dos trabalhos nesta manhã. (Foto: Viviane Oliveira)Grupo Brilhantina, da Escola João Carlos Flores, abriu a apresentação dos trabalhos nesta manhã. (Foto: Viviane Oliveira)

Os trabalhos de 82 escolas Estaduais de Campo Grande foram expostos na 2ª mostra do projeto Conecta Escola na manhã desta quinta-feira (5), na Explanada dos Ferroviários. O projeto foi criado com intenção de recuperar a defasagem de aprendizagem utilizando os recursos de tecnologia.

De acordo com a diretora do Núcleo de Tecnologia Educacional, Tânia Rute Ossuna de Souza, com o projeto o aluno aprende de forma dinâmica e na prática, além de se envolver mais com a escola.

Tânia explica que apenas uma sala de cada turno participa do projeto e o critério para a escolha é sempre a turma que tem baixo desempenho. “A gente vê o desenvolvimento do aluno, quando começa a melhorar a nota e o interesse dele pelas atividades”, afirma.

Os trabalhos são vários, desde grupo de dança tirado de um filme até um sarau que envolve tecnologia, português e literatura. A professora Renata Cespede, responsável da sala de tecnologia da Escola Estadual Professora Maria Rita, no bairro União, diz que com a ajuda de outros professores e do envolvimento dos alunos montou uma escola sustentável e uma horta vertical, feita através de garrafas pets.

O projeto que o professor Alexandre desenvolve na escola já ganhou dois prêmios. (Foto: Viviane Oliveira) O projeto que o professor Alexandre desenvolve na escola já ganhou dois prêmios. (Foto: Viviane Oliveira)
Professora Renata explica como fez a horta na escola. (Foto: Viviane Oliveira) Professora Renata explica como fez a horta na escola. (Foto: Viviane Oliveira)

Antes do projeto, os alunos da sala que eram conhecidos pelo baixo desempenho, passaram a ser destaque pelo envolvimento e pela vontade de tornar uma ideia em realidade. “Primeiro foi passada a parte teórica depois colocamos a mão na massa para tirar do papel o projeto”, conta Renata.

O ano que vem a turma escolhida na Escola Maria Rita será outra, pois o objetivo de despertar o interesse pelos estudos foi alcançado pela classe.

Orgulhoso com o resultado dos trabalhos na Escola Estadual Olinda Conceição Teixeira Bacha, no Bairro Buriti, o professor de Filosofia e História, Alexandre Gonçalves, termina o ano letivo com a sensação de dever cumprido.

Os projetos desenvolvidos na escola, Agência de Publicidade e Jornal Digital, ganharam dois prêmios e o professor Alexandre chegou a ir para Praga, a Capital e maior cidade da República Checa, para representar o Brasil. “Lá nós não ganhamos, mas trouxe mais ideias e aprendi que o segredo para prêmio está na simples vontade de transformar a vida do aluno”, destaca.

E foi transformando que um grupo de alunos montou um livro de poesias sobre o Estado, na Escola Teotônio Vilela, no Bairro Universitário II. “O resultado foi surpreendente”, diz Gladys Gabriely de Souza Santos, de 14 anos.

Ela é uma das alunas que tem publicada a poesia no livro “Cada verso um olhar de Mato Grosso do Sul”. “É muito legal você ver um trabalho seu impresso em um livro”, finaliza sorrindo a adolescente.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions