A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

16/03/2010 17:31

Estado terá de pagar 60 salários/mês a baleado por PM

Redação

A Justiça condenou o Estado de Mato Grosso do Sul a pagar pensão mensal no valor de 60 salários mínimos, equivalente a R$ 30,6 mil, ao advogado Geraldo Possik Salamene, baleado por um policial militar às 20h de 5 de dezembro de 2000. Apesar do PM estar de folga na época, ele usou arma da corporação, motivo da condenação do Governo sul-mato-grossense.

Em sentença de 5 de dezembro de 2008, o juiz da 6ª Vara de Fazenda Pública, José Ale Ahmed Netto, acatou parcialmente o pedido de indenização. Ele determinou o pagamento de indenização por danos morais de R$ 124,5 mil e mais a reposição dos gastos com médico e adaptações, no valor de R$ 26,1 mil. Além disto, definiu pensão no valor de 35 salários por mês, sendo 10 de pensão e mais 20 para a manutenção de profissionais e tratamento da vítima.

No entanto, a 2ª Turma Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) acatou recurso de Salamene e elevou o valor para 60 salários mínimos. A turma acompanhou o voto da relatora, desembargadora Tânia Mara Garcia de Freitas Borges, que acatou o recurso de Salamene e negou o pedido do Estado para reduzir para 10 salários mínimos por mês.

O caso -Advogado, com 31 anos de idade, conforme o processo, Salamene se envolveu numa discussão com o policial militar Rogério Freitas de Oliveira, às 20h de 5 de dezembro de 2000, na esquina das ruas Adolfino de Almeida e Nelson Gonçalves, no Parque Estrela.

O policial estava de folga, mas de posse da arma da PM. Ele tentou matar Geraldo Salamene, que foi socorrido. No entanto, o advogado acabou ficando tetraplégico. No processo, ele alegou que se trata de problema irreversível.

O policial acabou sendo condenado em 2001 a 11 anos e quatro meses de reclusão. A vítima alegou que o Governo estadual tinha responsabilidade pelo crime, porque o PM tinha antecedentes e continuava na corporação.

Ele pediu indenização de R$ 4 milhões. No entanto, o magistrado acatou parcialmente o pedido e determinou o pagamento de R$ 124,5 mil de indenização por danos morais e mais 35 salários de indenização.

O TJ/MS já tinha estabelecido o valor de 60 salários mínimos. Na sentença, o juiz definiu uma pensão menor. O Estado e o advogado recorreram. Na revisão, a 2ª Turma Cível decidiu voltar a elevar o valor para 60 salários mínimos.

A decisão ainda cabe recurso.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions