A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

13/10/2011 13:14

Falta de medicamento põe em risco vida de quem fez transplante de rim

Aline dos Santos

“Esse remédio é a nossa vida. Sem ele, ou volta para máquina ou vai para o túmulo”

Medicamentos estão em falta e transplantados recorrem à farmacinha de entidade. (Foto: João Garrigó)Medicamentos estão em falta e transplantados recorrem à farmacinha de entidade. (Foto: João Garrigó)

“Esse remédio é a nossa vida. Sem ele, ou volta para máquina ou vai para o túmulo”. A afirmação da presidente da Recromasul (Associação dos Renais Crônicos e Transplantados), Maura Jorge da Silva, é sobre a falta de medicamentos, que põe em risco a vida dos que renasceram após um transplante de rim.

“Faz duas semanas que estão faltando ciclosporina e alfaepoetina”, relata. Os medicamentos são distribuídos na Casa de Saúde. O primeiro evita a rejeição ao órgão transplantando e deve ser tomado todos os dias.

Já o segundo é para combate a anemia, sendo necessário tanto para os renais crônicos quanto para os transplantados. “Temos que tomar vários remédios para controlar a rejeição. Se falta um, os outros não fazem o mesmo efeito. Vai diminuindo o funcionamento do rim até a rejeição”, explica Maura.

De acordo com ela, não há previsão de quando os medicamentos voltarão a ser distribuídos. “E são muito caros, o paciente não tem condições de se manter”, enfatiza.

Na última semana, cinco pessoas recorreram à farmacinha da associação, formada por doações. “Temos três caixinhas, não vai durar muito tempo. Não sei mais o que fazer”, lamenta.

Conforme Maura, a compra do medicamento já é acompanhada pelo MPE (Ministério Público Estadual), devido à constante falta de remédios vitais para os transplantados. Na Casa de Saúde, a informação aos usuários é de que ainda não há data para chegada do medicamento.

A reportagem entrou em contato com a Casa de Saúde e a SES (Secretaria Estadual de Saúde) e aguarda resposta sobre a falta de medicamento.

Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...


Só quem tem um renal crônico na família sabe o quanto é difícil essa vida de hemodialise. Meu pai sai de Bonito 3X por semana pra vir a CG e fazer o procedimento e quando vê uma possibilidade de sair desta rotina lemos notícias como essas, que nos deixam ainda mais preocupados pois não sabemos se quando ele puder transplantar teremos esses remédios a disposição. A saúde pública é uma VERGONHAAA!!!
 
Thacielle Ribeiro Rodrigues em 13/10/2011 04:32:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions