A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

23/11/2009 07:59

Família de Rogerinho fala sobre crime à Ana Maria Braga

Redação

A família do garoto Rogério Mendonça, morto aos 2 anos depois de uma briga no trânsito em Campo Grande, é convidada hoje do Programa de Ana Maria Braga.

Avó, mãe, irmã e o tio de Rogerinho viajaram ao Rio de Janeiro para falar sobre o crime, ocorrido na quarta-feira passada.

O tio, Aldemir Pedra, que dirigia a camionete L-200, envolvida na briga que acabou com tiros que mataram o menino, também participa do Programa.

No estúdio, a família conta detalhes sobre o assassinato e como estão agora, 5 dias após a morte.

A mãe, Ariana Mendonça, levou fotos de Rogerinho e lembrou de momentos com o filho. "Tirei ele da escola neste ano, por medo da gripe suína, de tanto medo que eu tinha de perder ele. A gente vivia grudado, ele dizia todos os dias que me amava".

Da apresentadora Ana Maria Braga, os parentes receberam conforto. "Não sei qual o tamanho da dor de vocês, mas admiro a força", comentou.

A avó Adriana Mendonça contou que a Polícia espera o avô do menino, João Afonso Pedra, se recuperar do tiro que levou para prestar depoimento e esclarecer o que levou o jornalista Agnaldo Gonçalves a atirar contra a camionete , depois de uma discussão com o tio do garoto.

"A Polícia diz que quer saber se o homicídio foi por motivo fútil. Se matar uma criança desse jeito não é motivo fútil, então o que é?", questiona Adriana.

O tio, Aldemir, tentou durante toda a entrevista, negar qualquer responsabilidade em relação ao crime. Ele admitiu que "bateu-boca" com Agnaldo, mas lembrou que nada justificaria uma reação a tiros.

"Eu estava ao lado dele, ele poderia ter atirado em mim, mas atirou em direção das crianças", acusou.

A mãe levou a menina Ana Maria, de 5 anos, ao programa, e contou que a menina não dorme mais, depois de ter visto o irmão baleado. Ela estava no carro com Rogerinho, no momento do crime. "O pai dele também não come", disse sobre o pai do garoto.

Um especialista também foi chamado para participar do programa e falou sobre a violência que transforma discussões banais em tragédias. "Espero que a pessoa que atirou sinta culpa, porque em alguns casos que pessoas são capazes de cometer crimes monstruosos e não aprender com isso", disse o psicólogo Antônio Egídio Nardi.

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada de acesso ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions