A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

26/02/2016 08:18

Força-tarefa prorroga por seis meses investigação da Lama Asfáltica

Aline dos Santos
No dia 18 de fevereiro, promotora  Cristiane Mourão participa de balanço da força-tarefa. (Foto: Alan Nantes)No dia 18 de fevereiro, promotora Cristiane Mourão participa de balanço da força-tarefa. (Foto: Alan Nantes)

O MPE (Ministério Público do Estado) prorrogou por mais 180 dias o prazo para a conclusão de três inquéritos civis na força-tarefa da Lama Asfáltica. O grupo de promotores atua desde agosto do ano passado e, num balanço de seis meses divulgado recentemente, informou o bloqueio de R$ 84 milhões dos investigados.

A força-tarefa apura denúncias relacionadas à operação Lama Asfáltica, realizada em 9 de julho pela PF (Polícia Federal). A ação revelou esquema entre empresas e a antiga administração estadual para desvio de dinheiro.

Foram prorrogados os seguintes inquéritos civis: 14/2009, 27/2011 e 133/2014. Todos são sigilosos. As investigações são desde 2009 porque a determinação era apurar todas denúncias correlatas aos investigados na operação.

A edição de hoje do Diário Oficial do MPE também prorroga por 90 dias a conclusão de 12 procedimentos preparatórios da força-tarefa. Essas apurações também são feitas sob sigilo.

Balanço - Após seis meses da investigação, o MPE divulgou relatório com as principais irregularidades, como o desvio de recursos públicos em obras de estradas com contratos que ultrapassam R$ 11,5 milhões.

Em relação à terceirização ilegal de serviços públicos, o Ministério Público contesta contratos de serviços de informática na ordem de R$ 55 milhões. O enriquecimento ilícito de agentes públicos estaduais e municipais também é investigado.

De acordo com relatório, a esposa de um servidor municipal teria gasto, em três anos, R$ 904 mil em joias. A força-tarefa apura também de quem é responsabilidade pela morte de 6 mil peixes do Aquário do Pantanal, em junho do ano passado.

A equipe é formada pelos promotores Fernando Martins Zaupa, Thalys Franklyn de Souza, Tiago Di Giulio Freire e Cristiane Mourão Leal Santos. No total, foram 60 procedimentos investigatórios e 257 depoimentos prestados.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions