ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Funai apura envolvimento de servidor no assassinato do cacique Nízio

Edivaldo Bitencourt e Zana Zaidan | 09/11/2013 09:51
Morte de Nízio deve levar os primeiros envolvidos a julgamento neste mês (Foto: Arquivo)
Morte de Nízio deve levar os primeiros envolvidos a julgamento neste mês (Foto: Arquivo)

A Corregedoria Nacional da Funai (Fundação Nacional do Índio) apura o envolvimento de funcionários do órgão no assassinato do cacique indígena Nísio Gomes, 59 anos, ocorrido em 18 de novembro de 2011 em Aral Moreira. A suspeita também é investigada pela Polícia Federal de Ponta Porã, a 323 quilômetros de Campo Grande.

Ontem, o corregedor nacional, Francisco Arruda, confirmou que há suspeita de que funcionários da Funai estão envolvidos no desaparecimento do cacique. A Polícia Federal chegou a indiciar 18 pessoas pelo crime. Eles chegaram a ser presos e tiveram o habeas corpus concedido pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo.

Entre os envolvidos, estão funcionários e o proprietário de uma empresa de segurança de Dourados. O dono da empresa é Aurelino Arce.

O cacique foi morto durante um ataque ao acampamento indígena Guayviry, em Aral Moreira. No entanto, o seu corpo não foi localizado até hoje.

As investigações apontam que fazendeiros locais contrataram a empresa de segurança para expulsar os índios do acampamento em uma área requerida pelos indígenas. O conflito resultou no ataque aos indios e na morte de Nísio.

Os 23 suspeitos foram acusados de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de testemunhas. O MPF (Ministério Público Federal) já denunciou 19 pelo crime.

Apesar de confirmar a suspeita sobre funcionários da Funai, Arruda não revelou qual seria a participação deles no crime e quantos estão envolvidos. O corregedor também apura o desvio de combustível e veículos da Funai em Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias