A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

24/11/2010 08:36

Há dois anos em Unei, maníaco tem comportamento exemplar

Redação

Atualmente com 18 anos, o jovem que ficou conhecido como "maníaco da cruz" já está há dois anos na Unei (Unidade Educacional de Internação) de Ponta Porã, cidade distante 323 quilômetros de Campo Grande.

Condenado por assassinatos em série, praticados no ano de 2008, em Rio Brilhante, o rapaz tem comportamento considerado exemplar pelo diretor da Unei, Paulo César Vilaverde Torraca.

"Se tivesse todos (internos) como ele, seria uma maravilha. Não daria alteração", ressalta o diretor.

Paulo explica que o jovem fica em alojamento separado apenas devido ao tratamento psicológico que faz.

Entretanto, o diretor destaca que o rapaz faz todas as atividades que devem ser feitas em conjunto com os outros internos.

O diretor enfatiza que o jovem é bom e calado. "Fica sempre na dele", completa.

Os infratores têm direito a receber visitas todos os domingos e o maníaco da cruz vê os familiares uma vez por mês porque os parentes moram em Rio Brilhante.

Conforme o diretor, a mãe, o padrasto e uma tia vão frequentemente à Unei para ver o jovem.

Sai ou não sai - O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) prevê que adolescentes cumpram no máximo três anos de medidas socioeducativas.

A juíza da 1ª Vara Cível de Ponta Porã, Larissa Castilho da Silva Farias, diz apenas que se trata de um caso que corre em segredo de Justiça e, por este motivo, não pode revelar se o rapaz poderá estar nas ruas já no próximo ano.

Ela pondera que a execução de medida socioeducativa evidencia a necessidade do adolescente com enfoque na ressocialização.

O caso - O maníaco da cruz confessa que matou três pessoas em Rio Brilhante, cidade que fica a 161 quilômetros de Campo Grande, em 2008.

Ele matou sozinho o pedreiro Catalino Cardena, 33 anos, em 24 de julho, a frentista Letícia das Neves, 22 anos, em 24 de agosto, e a estudante Gleice Kelly da Silva, 13 anos, no dia 7 de outubro.

O rapaz afirmou ter assassinado estas pessoas porque elas acreditavam em Deus e não viviam conforme as doutrinas religiosas.

Ele conversava com seus alvos e, depois de classificá-los como "puros" ou "impuros", dava a própria sentença.

As pessoas que considerava impuras, o jovem matava e deixava em posição de crucificação.

Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...
MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions