A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

18/03/2010 13:10

Homem morre após esperar atendimento no chão de hospital

Redação

Aquiles Francisco de Souza, de 24 anos, morreu às 23h15 de ontem (18), após esperar atendimento deitado no chão da Santa Casa de Misericórdia de Paranaíba, município que fica a 413 quilômetros de Campo Grande.

Para a família, a demora e as condições inadequadas em que ele foi deixado no hospital contribuíram para a sua morte. Aquiles foi levado ao hospital pelo Corpo de Bombeiros por volta das 7h.

De acordo com o amigo que o acompanhou, Diorel Moraes de Oliveira, de 23 anos, a porta do hospital estava aberta e como Aquiles estava mal, eles entraram, mas foram tirados do local porque segundo o porteiro não havia medico.

Foi disponibilizada cadeira de rodas para o paciente, mas como estava com muitas dores ele se deitou no chão. Após algum tempo, uma funcionária do hospital deixou que o amigo levasse o paciente até uma sala. Uma enfermeira disse que aplicaria soro.

Enquanto tomava o soro, o corpo de Aquiles começou a ficar roxo. Quando finalmente uma médica foi chamada, constatou que o homem estava com infecção generalizada.

Depois disso, ele foi encaminhado à UTI (Unidade de Terapia Intensiva), onde morreu. No atestado de óbito a causa da morte está em aberto. Há alguns dias, ele teve um diagnóstico de dengue.

Segundo a família, os médicos informaram que Aquiles teve falência múltipla de órgãos, pneumonia e infecção generalizada. A família quer Justiça sobre o caso, e reclama do atendimento que ele recebeu na Santa Casa da cidade.

Complicação - Aquiles era casado e deixa uma filha de quatro meses. Segundo informado pelo responsável pela Santa Casa, José Homero de Freitas, o caso será verificado.

Ele adianta que ontem o plantonista chegou atrasado e isso prejudicou o atendimento. De acordo com ele, demorou 35 minutos para que o paciente conseguisse um médico.

Aquiles precisou de atendimento após um acidente de moto. Ele teve que fazer uma cirurgia na perna, onde foram colocados pinos metálicos. Depois de quatro meses, os pinos foram retirados e colocado gesso.

Segundo o amigo, o gesso foi mal colocado e soltava. A parte do salto desprendeu e ele torceu o pé. Com isso, teve início a infecção que levou à sua morte.

"Levamos ele três vezes na Santa Casa e o pessoal simplesmente mandava ele ir embora. Os únicos remédios que eles passam são Tylenol e Diclofenaco", revelou o amigo da família, Diorel Moraes de Oliveira. (Com informações do Jornal Tribuna Livre)

Curso de instrutor de trânsito do Detran oferece 50 vagas na Capital
O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está com inscrições abertas para o curso de Formação de Instrutor de Trânsito e...
Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions