ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Índios vão a São Paulo acompanhar júri do caso Veron

Por Redação | 03/05/2010 08:18

Um ônibus e um veículo Van, com cerca de 60 índios da etnia guarani, da reserva de Dourados, embarcaram ontem para acompanhar o julgamento do assassinato do líder Marcos Veron, em São Paulo.

O júri deve começar às 11 horas desta segunda-feira, depois de adiamento no mês passado. Vão ser julgados três funcionários da Fazenda Brasília do Sul, em Juti, acusados de matar a pauladas o cacique e tentar matar outros seis indígenas da aldeia Takuara, durante conflito que durou dois dias em janeiro de 2003.

O grupo indígena preparou uma manifestação "mesmo porque são familiares de Veron e pedem justiça", explica o procurador da República em Dourados, Marco Antônio Delfino.

Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos e Jorge Cristaldo Insabralde tiveram o júri transferido para São Paulo após o Ministério Público Federal alegar que um julgamento em Dourados prejudicaria a lisura do processo, por conta da pressão de fazendeiros.

O MPF também alegou "notável preconceito da população e autoridades locais com os índios".

O MPF lembra de outros casos envolvendo mortes de índios que ficaram sem solução em Mato Grosso do Sul, citando como exemplo o desaparecimento de dois professores indígenas da etnia guarani-kaiowá desapareceram após ocupação de uma fazenda em Paranhos, fronteira com o Paraguai. Apenas o corpo de um deles foi encontrado.

Em abril, a primeira data do júri foi desmarcada depois que o advogado de defesa apresentou atestado médico alegando que estava em tratamento e precisava se afastar das atividades profissionais por 20 dias.

A acusação sustenta que antes de ser morto, Veron foi torturado. Os capangas da fazenda também são processados pro seis tentativas qualificadas de homicídio, seis crimes de sequestro, fraude processual e formação de quadrilha.

O produtor rural Jacintho Honório, dono da fazenda Brasília do Sul, chegou a ser preso em 2003, mas não foi denunciado, apesar de ser apontado pelos índios como mandante dos crimes.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário