ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SEGUNDA  30    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Acordo inédito garante escola em área indígena que STF negou demarcação

Obra de salão que vai servir de sala de aula na Terra Indígena Guyraroká já começou; STF rejeitou demarcação em 2014

Por Helio de Freitas, de Dourados | 18/05/2018 15:07
Ampliação de salão que será transformado em sala de aula está em andamento (Foto: Divulgação)
Ampliação de salão que será transformado em sala de aula está em andamento (Foto: Divulgação)

Acordo inédito entre o MPF (Ministério Público Federal), a prefeitura e o MPT (Ministério Público do Trabalho) vai garantir a instalação de uma escola em uma área invadida por índios em Mato Grosso do Sul. O espaço para as aulas já está sendo construído na Terra Indígena Guyraroká, no município de Caarapó, a 283 km de Campo Grande.

Em 2014, após 15 anos de tramitação, o STF (Supremo Tribunal Federal) acatou recurso do produtor rural Avelino Antônio Donatti reconhecendo não haver provas de que a fazenda é terra indígena, como a União tinha declarado. No entendimento do Supremo, não há registros de índios na terra há mais de 70 anos.

Apesar da decisão do STF, a fazenda continua ocupada pelos Guarani-kaiowá, que agora conseguem ter uma escola funcionando na própria aldeia.

Segundo a assessoria do MPF, a construção será financiada por R$ 30,8 mil disponibilizados pelo procurador do Ministério Público do Trabalho Jeferson Pereira, provenientes de multa por descumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o MPT.

O dinheiro será destinado à ampliação de um salão de 63 metros quadrados já existente, que servirá como sala de aula e também como local de apoio para atendimento médico aos índios. A nova estrutura terá cozinha, despensa, banheiros e uma área aberta para reuniões.

Conforme o MPF, a obra já está em andamento e a mão de obra é sendo custeada pela prefeitura. Também já foi providenciada instalação de energia elétrica e o início das aulas está previsto para o segundo semestre.

A aldeia Guyraroká passou por estudos de identificação e delimitação da Funai e foi declarada terra indígena em 2009 pela Portaria n° 3.219 do Ministério da Justiça. Segundo o MPF, faltam a colocação de marcos físicos, que limitam a área, e a homologação pela Presidência da República.

Indenização – Em 2013, o MPF ajuizou ação na Justiça Federal contra a União e a Funai pedindo indenização de R$ 170 milhões por danos morais e materiais sofridos pela comunidade indígena Guyraroká durante a colonização de Mato Grosso do Sul, há mais de cem anos.

Para ajuizar a ação – ainda não analisada pela Justiça – o MPF apontou dispersão da comunidade indígena, remoção forçada para outras áreas, demora da União em demarcar as terras tradicionais e a frustração dos direitos originários ao usufruto exclusivo de suas terras.