ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Cabeleireiro que matou secretário a golpes de faca vai continuar preso

Prisão preventiva de Fernando Souza Gonçalves foi decretada nesta tarde pelo juiz da 3ª Vara Criminal de Dourados

Por Helio de Freitas, de Dourados | 07/07/2020 17:29
Fernando Souza no momento em que era levado para o presídio, ontem à tarde (Foto: Sidnei Bronka/Ligado na Notícia)
Fernando Souza no momento em que era levado para o presídio, ontem à tarde (Foto: Sidnei Bronka/Ligado na Notícia)

O juiz da 3ª Vara Criminal Eguiliell Ricardo da Silva decretou na tarde desta terça-feira (7) a prisão preventiva do cabeleireiro Fernando Souza Gonçalves, 30, que na tarde de sábado (4) matou a golpes de faca o secretário municipal de Agricultura Familiar de Dourados, Alceu Junior Silva Bittencourt, 36.

Fernando trabalhava no salão de cabeleireiro de Junior Bittencourt na Rua Mozart Calheiros, no residencial Izidro Pedroso, e matou o patrão com dois golpes de faca, no pescoço e abaixo da nuca. Junior cortava o cabelo de um cliente quando foi atacado pelas costas.

A prisão por tempo indeterminado foi solicitada pelo delegado Rodolfo Daltro, chefe do SIG (Setor de Investigações Gerais) e responsável pelas investigações. Desde ontem, o assassino confesso está na PED (Penitenciária Estadual de Dourados). Como Fernando foi preso em flagrante, na noite de domingo, a polícia tem dez dias para concluir o inquérito.

Ao Campo Grande News, o delegado informou hoje ter ouvido o depoimento do marido da tia de Fernando. O homem manteve a história de que o cabeleireiro havia parado de tomar os medicamentos para esquizofrenia e passou a consumir bebida alcoólica e a usar drogas.

Na segunda, a tia de Fernando, com quem ele mora há cinco anos, havia apresentado exames e os medicamentos para tratamento psiquiátrico que o cabeleireiro tinha deixado de consumir.

A polícia trabalha com a hipótese de que Fernando tenha matado Junior Bittencourt em um surto psicótico devido à falta de medicamentos e ao uso de drogas e álcool.

Como o tempo para concluir o inquérito é curto, o delegado informou que não vai pedir exame de sanidade mental de Fernando Souza. O pedido poderá ser feito pela defesa, no curso da ação penal.