ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Chefe de clã do tráfico ligado a "doleiro dos doleiros" é preso na fronteira

Antonio Joaquim da Mota, o “Tonho”, é pai de “Dom”, líder de grupo de mercenários que segue foragido

Por Aline dos Santos e Helio de Freitas, de Dourados | 20/02/2024 14:19
Antonio Joaquim da Mota e a esposa Cecy Mendes Gonçalves da Mota; ele foi preso hoje (Foto: Arquivo)
Antonio Joaquim da Mota e a esposa Cecy Mendes Gonçalves da Mota; ele foi preso hoje (Foto: Arquivo)

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira (20), em Ponta Porã, na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, o pecuarista brasileiro Antônio Joaquim da Mota, o “Tonho”, apontado como chefe de um dos principais cartéis de drogas na linha internacional.

Recolhido por força de mandado de prisão preventiva, “Tonho” foi levado para a delegacia da PF em Ponta Porã. Para inibir qualquer tentativa de resgate, a segurança em frente à delegacia foi reforçada por equipes da Força Nacional. No início da tarde, Mota foi transferido de helicóptero para o presídio federal em Campo Grande. Detalhes da prisão ainda não foram revelados.

Viaturas da Força Nacional em frente à delegacia da PF, nesta terça (Foto: Tião Prado/Ponta Porã Informa)
Viaturas da Força Nacional em frente à delegacia da PF, nesta terça (Foto: Tião Prado/Ponta Porã Informa)

Antonio Joaquim da Mota é pai de Antonio Joaquim Mendes Gonçalves da Mota, o “Dom” ou “Motinha”, atualmente foragido e incluído na difusão vermelha da Interpol (polícia internacional).

No dia 30 de junho do ano passado, Motinha foi alvo da Operação Magnus Dominus, deflagrada pela PF para desmantelar o grupo de mercenários que garantia a segurança do “Mota filho”.

Entre o grupo estavam paramilitares estrangeiros e até um policial militar lotado no DOF (Departamento de Operações de Fronteira). Avisado com antecedência que seria preso, Motinha fugiu de helicóptero e até agora não foi capturado.

“Tonho” não foi alvo naquela operação, mas vem sendo investigado há anos por envolvimento com o crime organizado. Empresário e poderoso criador de gado na fronteira, Antonio Joaquim da Mota mantinha ligações com Dario Messer, considerado o “doleiro dos doleiros”, um dos presos no âmbito da Operação Lava Jato.

Em 2019, “Mota pai” foi preso no âmbito da Operação Patrón, junto com o filho e a esposa Cecy Mendes Gonçalves da Mota, todos acusados de lavagem de dinheiro em investigação desmembrada da Operação Lava Jato.

Um ano depois, a mansão da família foi novamente alvo de buscas, no âmbito da Operação Hélix, acusado de tráfico internacional de cocaína transportada em helicópteros.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas  redes sociais.

Nos siga no Google Notícias