ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Com assembleia suspensa, usina de Bumlai tem novo pedido de falência

Liminar do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul suspendeu assembleia de credores; BNP Paribas quer falência da usina

Por Helio de Freitas, de Dourados | 21/11/2016 15:02
Usina São Fernando enfrenta outro pedido de falência (Foto: Divulgação)
Usina São Fernando enfrenta outro pedido de falência (Foto: Divulgação)

A crise financeira da Usina São Fernando, localizada no município de Dourados, está longe de terminar. De propriedade da família do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula e um dos réus na Operação Lava Jato, a indústria tinha esperança de ter um novo plano de recuperação judicial aprovado pelos credores, mas a assembleia marcada para os dias 17 de novembro e 1º de dezembro foi suspensa por decisão do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

A segunda suspensão em seis meses ocorreu após um dos credores requerer a falência da companhia, que já enfrenta outros pedidos semelhantes. A usina tem uma dívida de pelo menos R$ 1,5 bilhão.

A assembleia dos credores tinha sido marcada pelo juiz Jonas Hass Silva Junior, da 5ª Vara Cível de Dourados, para o dia 17 deste mês, mas o BNP Paribas entrou com um agravo de instrumento requerendo a falência da usina. O tribunal deferiu a liminar e suspendeu a assembleia até o julgamento do agravo.

Foi a segunda vez que o BNP Paribas pede a falência da Usina São Fernando. A assembleia de credores marcada para maio também foi suspensa após o banco entrar com um mandado de segurança.

Conforme o jornal Valor Econômico, no pedido de liminar deferido pelo TJ/MS o BNP alegou que a usina não apresentou documentos necessários para o andamento do processo de recuperação judicial. Na avaliação do banco, não é possível ter uma nova assembleia de credores, pois a empresa já estava sujeita ao cumprimento do plano de recuperação aprovado em assembleia anterior.

O BNP representa um grupo de credores que tem pelo menos R$ 80 milhões a receber da São Fernando. Segundo o Valor, fazem parte do grupo o ABN Amro, o Israel Discount Bank of New York, o Banco de Crédito e Inversiones S.A. Miami Branch, o Credit Europe Bank N.V., o BNP Paribas e o BNP Paribas Brasil SA.

Venda emperrada – A suspensão da assembleia dos credores atrapalha também os planos da São Fernando de vender a usina para a gestora americana Amerrra, que fez uma proposta de adquirir a planta e assumir o endividamento entre R$ 950 milhões e R$ 1 bilhão.