ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Conselho rejeita todas as propostas de reitora temporária da UFGD

Couni vai encaminhar ao MEC ofício solicitando que lista tríplice seja respeitada e que Etienne Biasotto assuma o cargo

Adriano Fernandes e Helio de Freitas | 31/10/2019 20:03
Acadêmicos durante a reunião desta manhã na UFGD. (Foto: Divulgação)
Acadêmicos durante a reunião desta manhã na UFGD. (Foto: Divulgação)

A reitora temporária da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Mirlene Damázio, que desde junho é chamada de interventora foi derrotada em todas as votações da primeira reunião do Couni (Conselho Universitário) - órgão que decide sobre todos os assuntos da universidade -, realizada na manhã desta quinta-feira (31).

Um dos projetos rejeitados pelo conselho foi a implantação do Future-se, programa do Governo Federal que entre outras estratégias, cria um fundo para financiar as universidades federais e atrair recursos privados. Para os conselheiros, o projeto tem o caráter de tornar “precária” a universidade, uma vez que ameaça diminuir a “autonomia da instituição”, avaliaram em nota.

O plano de gestão da reitoria temporária também foi apresentado, mas rejeitado, pois os conselheiros entenderam que a sua aprovação endossaria a permanência de Mirlene no cargo. A alteração de resolução sobre alunos cotistas e outros dois tópicos referentes a alunos de pós-graduação também foram pautados, mas desaprovados pelos acadêmicos.

Além de frisar não reconhecer Mirlene Damázio como reitora da instituição, o conselho elaborou um oficio para envio ao MEC (Ministério da Educação) solicitando que lista tríplice seja respeita e que seja indicado ao cargo de reitor o professor Etienne Biasotto, vencedor da eleição da universidade.

Eleição

Vencedor da eleição interna feita em março e primeiro da lista tríplice encaminhada ao Ministério da Educação, Etienne não foi nomeado pelo ministro da educação Abraham Weintraub. O MPF havia questionado o fato de os outros dois integrantes da lista não terem participado da eleição interna. A ação judicial foi apontada pelo MEC como motivo para a nomeação de Mirlene Damázio, em junho, mas desde então ela é alvo de protestos da comunidade acadêmica.

No início deste mês, a Justiça Federal mandou a UFGD comunicar ao Ministério da Educação que a eleição interna para reitor teve sua validade restaurada. Entretanto, mesmo a Justiça tendo reconhecido a legalidade da eleição, ela é mantida no cargo.

Nos siga no Google Notícias